Especialização ‘Pós Tec Enfermagem’, anunciado pelo Cofen, deve qualificar gratuitamente cerca de 10 mil profissionais de saúde anualmente

Pós Tec Enfermagem deve contar com carga horária de 300 horas por meio de instituições públicas de ensino parceiras.

Print Friendly, PDF & Email

Cerca de 10 mil técnicos em Enfermagem devem ser qualificados, anualmente, por meio do Pós Tec Enfermagem, programa aprovado pelo Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), no final de outubro desse ano. A inciativa, deve oferecer, a partir do primeiro semestre de 2022, especialização, gratuita, em nível de pós-educação profissional, aos técnicos em enfermagem de todo país.

Segundo o Cofen, o programa tem por objetivo, promover a melhoria da assistência e democratização do acesso à atualização os profissionais de nível médio para uma prática especializada, aos  técnicos em enfermagem.

Para a  presidente do Cofen, Betânia Santos, o programa surge como uma oportunidade de superar estes desafios e de oportunizar a atualização do conhecimento teórico-prático. “O Pós Tec Enfermagem é fruto de uma escuta atenta das necessidades e ânsias dos profissionais de nível médio. Sabemos das dificuldades impostas aos profissionais de Enfermagem que impossibilitam a atualização profissional, e por isto, não medimos esforços para ofertar à categoria uma especialização gratuita e em larga escala”, destacou.

Publicidade

Para o membro da comissão do Pós Tec Enfermagem, Neyson Freire,  a iniciativa ressalta o protagonismo do Sistema Cofen e dos conselhos regionais de enfermagem, além de  possibilitar o aprimoramento do cuidado ofertado ao paciente. “O programa vai aperfeiçoar a assistência prestada por técnicos de Enfermagem, reduzindo a ocorrência de situações adversas. Será um projeto pioneiro, com grande abrangência nacional e totalmente sem custos”, afirmou.

Qualificação e valorização

De acordo com o Cofen, no Brasil os técnicos de Enfermagem somam cerca de 1,5 milhão de profissionais. Profissionais esses que convivem com duplas jornadas de trabalho, baixa remuneração e pouca oferta de cursos de especialização estão entre os principais fatores que impedem a qualificação.

“O programa vai possibilitar que os Conselhos de Enfermagem devolvam aos profissionais de nível médio parte do valor arrecadado em forma de capacitação, colaborando para a valorização da categoria”, evidenciou o vice-presidente do Cofen, Antônio Marcos Freire.

Oportunidade

Comissão do Pós Tec acredita que o programa irá contribuir para a atualização do conhecimento e para a melhoria da qualidade da assistência

Ainda segundo o Cofen, a implementação do Pós Tec também deve suprir uma demanda sinalizada pelos profissionais de nível médio durante a pesquisa Perfil da Enfermagem (Cofen/Fiocruz, 2015), na qual manifestaram interesse em participar de atividades de aprimoramento profissional. As especialidades ofertadas estarão de acordo com as reconhecidas pela Resolução Cofen 609/2019 nas áreas de saúde coletiva, saúde da criança e do adolescente, saúde do adulto e saúde do idoso.

“A expansão dos cursos de especialização é uma demanda igualmente identificada pela Comissão Nacional de Técnicos e Auxiliares de Enfermagem (Conatenf). Além de contribuir para a valorização profissional, a qualificação possibilita maiores instrumentos para a garantia da segurança do paciente”, frisou Mariluce Ribeiro, membro da comissão do Pós Tec e integrante da Conatenf.

Base Legal

A oferta de cursos para promoção de estudos e aperfeiçoamento profissional está assegurada no artigo 8º, inciso X, da lei nº 5.905/73, que dispõe sobre a criação dos Conselhos Federal e Regionais de Enfermagem. Desde sua origem, o Cofen tem realizado uma série de programas de qualificação em larga escala, entre eles o Programa Proficiência e o Mestrado Profissional em Enfermagem Cofen-CAPES, o maior projeto de apoio profissional ao mestrado brasileiro.

VIACom informações de Cofen
Artigo anteriorUnidades da Rede de Atenção Psicossocial adotam novo modelo de gestão
Próximo artigoCampanha Dezembro Laranja reforça prevenção contra o câncer de pele