Alexandrino deve deixar IHBDF para assumir Secretaria de Saúde de Goiás. Modelo de gestão mais perto do fim?

Equipe de transição coordenada por Adriano Ibiapina, deve levantar dados para definição do próximo secretário de saúde, Osnei Okumoto

Por Kleber Karpov

Nessa semana, o governador eleito de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), anunciou que o atual presidente do Instituto Hospital de Base do DF (IHBDF), Ismael Alexandrino, deve assumir a Secretaria de Estado de Saúde do Estado de Goiás (SES-GO). Sob o título ‘Goianos “de fora” vão assumir Saúde e SED’, o jornal, O Popular, de Goiás (10/Dez), divulgou o convite de Caiado, a alguns gestores que devem compor o primeiro escalão do governo goiano. Dentre esses, Alexandrino já figura entre os confirmados para assumir a SES-GO.

Publicidade

A saída de Alexandrino, somado ao índice, tímido, de aumento de produtividade do Hospital de Base do DF (HBDF), pós conversão em Serviço Social Autônomo (SSA), traz a tona, novamente, discussões sobre o futuro do IHBDF, que devem fazer parte das análises da equipe de transição e do novo secretário de Estado de Saúde do DF, Osnei Okumoto, que devem assumir, juntamente com o governador eleito, Ibaneis Rocha (MDB).

Além dos números, também deve ser levado em consideração, a ação ajuizada pelo Sindicato dos Médicos do DF (SINDMÉDICO-DF), no Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT). Isso porque, embora recentemente, o IHBDF tenha conseguido derrubar uma liminar que determinava a conversão do Serviço Social Autônomo (SSA) IHBDF em Fundação Pública, que ainda aguarda julgamento do mérito. Além de auditoria do Ministério Público do Contas do DF (MPC-DF), que encontrou irregularidades, ainda no primeiro contrato do Instituto.

Números

Com um orçamento de cerca de R$ 650 milhões, para 2018, e uma projeção de aumento na quantidade de atendimentos, em relação a 2017, na ordem de 20%, considerado tímido por especialistas. Porém, próximo ao fim do ano, o IHBDF apresenta dados que podem ficar aquém do crescimento esperado, na ordem dos 10%, quando considerado as internações e cirurgias eletivas. Além de permanecer com os antigos problemas de superlotação, falta de medicamentos, insumos e manutenções.

Caso que pode ser confirmado, se considerado, dados apresentados pelo presidente do IHBDF, Ismael Alexandrino (31/Out), em entrevista ao blog Agenda Capital (Veja Aqui). Alexandrino, apresentou números em que apresenta crescimento, em 2018, de 11,9% nas internações, 12% cirurgias eletivas, com destaque para os 24% nos atendimentos de emergências, se comparados ao mesmo período do ano anterior.

Números

Com um orçamento de cerca de R$ 650 milhões, para 2018, e uma projeção de aumento na quantidade de atendimentos, em relação a 2017, na ordem de 20%, considerado tímido por especialistas. Porém, próximo ao fim do ano, o IHBDF apresenta dados que podem ficar aquém do crescimento esperado, na ordem dos 10%, quando considerado as internações e cirurgias eletivas. Além de permanecer com os antigos problemas de superlotação, falta de medicamentos, insumos e manutenções.

Caso que pode ser confirmado, se considerado, dados apresentados pelo presidente do IHBDF, Ismael Alexandrino (31/Out), em entrevista ao blog Agenda Capital (Veja Aqui). Alexandrino, apresentou números em que apresenta crescimento, em 2018, de 11,9% nas internações, 12% cirurgias eletivas, com destaque para os 24% nos atendimentos de emergências, se comparados ao mesmo período do ano anterior.

Porém, dados do relatório Quadrimestral de Avaliação do Contrato de Gestão do hospital, especificamente, o Quadro Consolidado de Metas e dos Indicadores de Produção, do 1º Quadrimestre (Veja Aqui), único disponibilizado pelo IHBDF, até o momento, aponta, se confrontados os resultados dos primeiros quatro meses com a meta anual, levado em consideração, os dois quadrimestres restantes, que diversos indicadores podem ficar abaixo do objetivo estabelecido, salvo se houver crescimento, considerável, nos oito meses seguintes.

Avaliação

De acordo com fonte de Política Distrital (PD), da equipe de transição, mesmo com a saída de Alexandrino, a continuidade do modelo de gestão, só deve ser definida, “após levantamento da equipe de transição, coordenada pelo Dr. Adriano Ibiapina.”, ocasião em que “o secretário vai se posicionar sobre o Instituto Hospital de Base”.

Ao PD, o secretário de Saúde, Osnei Okumoto, por sua vez informou que  ainda não recebeu “os indicadores do IHB dos últimos anos ainda, para analisar com nossa equipe.”, disse ao desejar sucesso a Alexandrino, “Desejo ao Dr Ismael, muito sucesso”, concluiu.

Atualização: 12/12/2108 às 20h55

Artigo anteriorJorge Vianna é convidado para ser diretor especial da Associação Comercial do DF
Próximo artigoGDF atrasa pagamento do adicional noturno dos servidores da saúde