Negociação de Sindate com GDF leva auxiliares e técnicos em enfermagem ao fim da greve

166
Print Friendly, PDF & Email

“Saímos sem dinheiro? Sim. Mas saímos, em grande estilo”

Por Kleber Karpov
Auxiliares e Técnicos em Enfermagem em reunião no acampamento na Secretaria de Saúde recebem o presidente do Sindicato dos Médicos, Guttemberg Fialho - Foto: Kleber Karpov
Auxiliares e Técnicos em Enfermagem acampados na Secretaria de Saúde, em reunião, recebem o presidente do Sindicato dos Médicos, Guttemberg Fialho – Foto: Kleber Karpov

Após montar acampamento em frente da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) (4/Nov) e o Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (Sindate-DF) passar a madrugada, desta quinta-feira (5/Nov), em negociação com o GDF a categoria, após receber proposta ‘pomposa’ por parte do governo, decidiu em assembleia, decretar o fim da greve.

Na noite de quarta-feira (4/Nov), acampados na SES-DF, cerca de quase 100 auxiliares e técnicos em enfermagem dedicaram o tempo a convidar os colegas, por meio das redes sociais, para a assembleia do dia seguinte. A ação contou com a presença do presidente do Sindicato dos Médicos do DF (SindMédico-DF), Guttemberg Fialho, que compareceu no acampamento para apoiar a categoria.

Publicidade

A diretoria do Sindate-DF por sua vez, também acampada na SES-DF, reservou o tempo para negociar com o GDF para tentar por fim a greve com duração de 30 dias, porém, com uma proposta “honrosa” para a categoria uma vez que o governo não retrocedeu e manteve a proposta de pagar a última parcela da incorporação da Gratificação de Atividade Técnico-Administrativo (Gata), somente em outubro de 2016.

O dia amanheceu, as negociações com o GDF avançaram, a assembleia do Sindate-DF, que representa cerca de 14 mil auxiliares e técnicos em enfermagem, começou no horário marcado, a proposta demorou um pouco, mas chegou em tempo dos cerca de 800 servidores da categoria, de acordo com a direção do Sindicato, para apreciar, comemorar, aprovar as propostas do governo que foi apresentada à categoria para finalmente decretar o fim da greve e voltar ao trabalho a partir de sexta-feira (6/Nov).

De bolsos vazios, mas…

A principal proposta apresentada pelo GDF aos auxiliares e técnicos em enfermagem é o envio de Projeto de Lei à Câmara Legislativa do DF (CLDF), no prazo de 90 dias, para criar a reestruturação de carreira dos Auxiliares e técnicos em enfermagem. A proposta do GDF, reduz ainda de 25 para 18 anos, o tempo para que os auxiliares e técnicos em enfermagem venham a atingir o teto da tabela salarial.

Além da reestruturação da carreira da categoria o GDF propôs ainda a criação de Grupo de Trabalho paritário com a participação  de membros do governo e do Sindate-DF para negociar:

  1. Reajuste do benefício alimentação para o valor de R$ 700;
  2. Incorporação da Gratificação de Titulação;  ampliação de concessão de 40 horas semanais aos técnicos de enfermagem;
  3. Reposição das perdas inflacionárias do período;
  4. Restabelecer o pagamento da licença-prêmio em pecúnia aos trabalhadores aposentados com início em dezembro de 2015;
  5. Abono do ponto dos servidores que participaram do movimento grevista;
  6. Estudo de novo calendário para redução da jornada das 24 horas semanais;
  7. Estudar mudança de nomenclatura com apresentação de parecer em 45 dias, com a primeira reunião agendada para 16 de outubro.

Desabafo

Após a deliberação dos auxiliares e técnicos em enfermagem, de finalizar a greve, visivelmente emocionado, o vice-presidente do Sindate-DF falou ao Política Distrital.

Vice-presidente do Sindate-DF é parabenizado pela condução das negociações com o GDF e do término da greve - Foto: Kleber Karpov
Vice-presidente do Sindate-DF é parabenizado pela condução das negociações com o GDF e do término da greve – Foto: Kleber Karpov

“Nós nunca tivemos tanta dificuldade para dialogar com um governo, sobretudo por se tratar de um governo que o funcionalismo público do DF ajudou a eleger. Fomos o primeiro sindicato a deflagrar a greve por conta das Leis que incorporam as gratificações e da Lei da redução de carga horária. A categoria foi irredutível, se uniu, mesmo com a judicialização da greve que ainda tentaremos negociar com o GDF, além de já estar contestando na Justiça a ilegalidade da greve, pois é totalmente desproporcional à arrecadação mensal do Sindate. Mas nessa queda de braço com a irredutibilidade do governo, prevaleceu o bom senso, tanto por parte do GDF que, quero acreditar, se sensibilizou com a nossa categoria quanto da nossa categoria, em ceder em no ponto principal que era a incorporação da Gata, mas a categoria sai dessa greve extremamente vitoriosa pois a reestruturação do plano de carreira, por exemplo,  é uma luta que travamos a muito tempo para a nossa categoria que é a maior da Secretaria de Saúde. [do DF]. Mas é importante deixar claro aqui que os grandes vencedores são os auxiliares e técnicos em enfermagem que compareceram em peso em nossas manifestações e aguentara a ponta até conseguir algo plausível do governo.”.

Atualização: 05/11/2015 às 17h

Artigo anteriorSem acordo, auxiliares e Técnicos em enfermagem voltam a acampar na Secretaria de Saúde do DF
Próximo artigoRollemberg reconhece direito da categoria ao retroativo, mas só deve pagar em 2017