EXCLUSIVO: Pacientes com superbactéria KPC são mantidos em enfermaria comum, com outros doentes, no Hospital de Planaltina

319
Print Friendly, PDF & Email

Com mais de 100 casos registrados de infecções por superbactérias e cinco mortes registradas, mesmo com Plano de Enfrentamento implantado pela Secretaria de Saúde, pacientes que exigem cuidados especiais, permanecem sem isolamento.

Dois pacientes diagnosticados com a superbactéria a Klebsiella Pneumoniae Carbapenemase (KPC), um deles também com Acinetobacter Baumannii, são mantidos internados em leitos de enfermaria comum no Hospital Regional de Planaltina (HRP). O caso acontece mesmo com recomendação médica de se manter “precaução de contato”. A denúncia foi oferecida por servidor que não pode ser identificado, ao blog Política Distrital, que demonstra descaso da direção do hospital e da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) em relação aos doentes hospitalizados.

Segundo a fonte: “Os servidores lá da internação estão revoltados. Já fizeram reclamações na gerência, porém, até o momento nada foi feito. Casos de superbactérias são comuns e em geral aqui no HRP, o protocolo cumprido aqui, por determinação da Coordenação do Hospital é: — suba para a enfermaria e siga o protocolo. Em outras palavras, mantenha os pacientes juntos com demais internados.”, afirmou.

Risco de contágio

A gravidade dos casos de infecção pode ser constatado em documentos recebidos pelo Blog, guia de Evolução e Tratamento e Pedido de Parecer.  Em relação a “precaução de contato”, ambos instruem: “o uso de avental descartável, luva de procedimento e a higienização das mãos com álcool 70% antes e depois do contato com os pacientes e os pertences”.

Publicidade

A fonte esclareceu que Anvisa (Agencia de Vigilância Sanitária) recomenda que esses pacientes fiquem, quando não em isolamento, ao menos a um metro de distância de outros pacientes, mas: “A enfermaria aqui no HRP não tem espaço físico o suficiente para respeitar essa determinação.”, alertou.

 “O que temos aqui são casos graves, em que os dois pacientes inspiram cuidados e isolamento, por causa da alta taxa de colonização de KPC e Acinetobacter Baumannii . Mas eles estão em enfermaria comum, misturados com outros pacientes e recebendo visitas de familiares. Temos o perigo iminente de haver uma infecção generalizada na enfermaria do HRP com o risco de se contaminar outros pacientes e de ter que isolar toda a enfermaria.”, disse.

Procedimentos de isolamento

Política Distrital solicitou informações à SES-DF sobre os procedimentos de isolamento de pacientes infectados com as superbactérias KPC e Acinetobacter Baumannii. Por meio da assessoria de comunicação (ASCOM), a Secretaria esclarece: “A Secretaria de Saúde informa que a situação atual é endêmica (comum) no ambiente hospitalar e, portanto, os técnicos da pasta estão preparados para atuar”, e frisou não haver epidemia e ter a situação sob controle.

A SES-DF esclareceu ainda estar implantando o Plano de Enfrentamento nas unidades de Saúde: “Esclarecemos que as ações de padronização e prevenção já foram concluídas e levadas a todas as unidades. Neste momento, elas encontram-se plena execução.”

SES tem conhecimento do caso?

Questionado se a SES-DF também tem conhecimento dos casos, a fonte foi enfática: “Certamente e seria estranho se não soubessem, até porque ambos os pacientes vieram do semi-intensivo, transferidos, um do hospital de Santa Maria e o outro do Hospital de Base, já com a KPC. E ambos os casos exigem cuidados especiais.”, afirmou.

Vítimas das Superbactérias

Segundo a SES-DF, até o momento, cinco pacientes morreram, de acordo com a SES-DF. Em todos os casos, as vítimas foram pessoas idosas foram infectadas após darem entrada nos hospitais. Embora a Secretaria faça uma ressalva: “A pasta esclarece que não é possível afirmar que a contaminação pela bactéria ocasionou os óbitos. Para que a pasta tenha um posicionamento sobre o caso, é necessário um laudo de necropsia que deve ser solicitado pela família. A rede não pode fazer este procedimento sem autorização.”.