23.5 C
Brasília
18 maio 2024 22:35


Distrito Federal registra queda de infecções em UTIs

Resultados mostram redução tanto nas internações de adultos quanto de crianças. Índices estão abaixo das médias nacionais, mas vigilância alerta para cuidados constantes

Por Humberto Leite

A taxa média de infecção das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) em hospitais do Distrito Federal – rede pública, complementar e os de administração militar – apresenta índice abaixo do registrado na média nacional, além de haver melhoria frente aos anos anteriores. É o que aponta o relatório da Diretoria de Vigilância Sanitária (Divisa) da Secretaria de Saúde (SES-DF), que, apesar do cenário, indica a necessidade de um acompanhamento constante.

“As infecções relacionadas à assistência e à resistência microbiana são consideradas emergências de saúde pública e exigem responsabilização e muita dedicação para que sejam prevenidas”, explica a gerente de Risco em Serviços de Saúde (GRSS) da Vigilância Sanitária, Fabiana de Mattos Rodrigues.

Rotina de unidades de terapia intensiva é marcada por protocolos rígidos para evitar infecções. Foto: Geovana Albuquerque/Arquivo Agência Saúde-DF.jpg

Cem por cento dos 41 hospitais com UTIs, segundo a profissional, já reportaram dados à Divisa. A meta estabelecida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) era de alcançar o índice de 95% no próximo ano.

Menores taxas de infecção no DF

Os resultados mostram evolução. De acordo com a Divisa, que utiliza um índice de cálculo baseado em número de casos por cada mil pacientes por dia de internação, em 2023 foram 4,3 registros de pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV) na média das UTIs do DF. Em 2021, o número havia atingido um pico de 7. Em 2022, havia caído para 5,5, abaixo da média nacional de 12,5. Ainda não há os números nacionais de 2023.

Já as infecções do trato urinário associada a cateter vesical de demora (ITU-AC) caíram de 3,2, em 2014, para 1, em 2023, na mesma base de cálculo. A média do DF se manteve ao longo de todo o período abaixo da nacional, que chegou a 3,5 em 2022. Já para infecção primária de corrente sanguínea associada à cateter central (IPCSL), em 2022 a média nacional havia sido de 4 e a do DF de 2,4. Em 2023, o índice do DF caiu para 2,2.

Nos 14 hospitais com UTIs pediátricas também há diminuição dos índices de infecções. A capital federal apresenta queda dos índices de infecções para cesarianas, cirurgias de implante mamário, cirurgias de derivação interna neurológica e nos casos de IPCSL e PAV da maioria das faixas de peso dos bebês internados em unidades neonatais.

Trabalho constante

Apesar das boas notícias, Rodrigues ressalta a importância de um trabalho constante de vigilância. “Há uma melhoria nos índices, mas precisamos contar sempre com o esforço das equipes dos hospitais e de um acompanhamento contínuo”, afirma. Uma das maiores preocupações é a existência de “superbactérias”, resistentes à maioria dos tratamentos, bem como alastramento de infecções ao ponto de ser necessário fechar alas inteiras de hospitais se houver surtos.

Para evitar o cenário, a GRSS realiza uma análise minuciosa dos dados reportados e mantém contato próximo aos serviços de controle de infecção hospitalar de cada estabelecimento. As unidades que não cumprem a legislação estão sujeitas a sanções.

Um exemplo desse trabalho é visto no Hospital Regional de Ceilândia (HRC), onde há treinamentos de rotina para todos os envolvidos na assistência, desde as chefias até os responsáveis pela limpeza, passando por profissionais de saúde, seguranças e visitantes. Também há instruções específicas de preparo e distribuição de alimentos, troca de roupas de cama, vestimentas e asseio do ambiente.

A rotina de limpeza dos hospitais segue protocolos mais complexos que os de outros locais. Foto:Ualisson Noronha/Agência Saúde-DF

A chefe do núcleo de Controle de Infecção Hospitalar do HRC, Franciely Pabline, diz que diariamente há um cuidado com todos os pacientes ocupantes dos 359 leitos do hospital, entre UTIs, enfermarias, centro obstétrico e outros setores. “A principal atuação é nas áreas críticas do hospital, em UTI adulta e neonatal, o centro obstétrico, centro cirúrgico e o centro de material esterilizado”, conta.

Os números do hospital revelam o tamanho do desafio. Só em 2023, o HRC registrou mais de 77 mil atendimentos na emergência, 6,1 mil cirurgias na internação, 2,5 mil diárias de UTIs e quase 4 mil partos. Após cada alta hospitalar há uma limpeza chamada de “terminal”, quando há troca e higienização das roupas de cama e desinfecção de todas as superfícies, incluindo o teto e as paredes. Mesmo os pacientes que dão entrada no centro cirúrgico em estado grave, como vítimas de acidentes ou de violência, passam por assepsia antes dos procedimentos.

Dentro do hospital, também há limites invisíveis respeitados por servidores. Por exemplo: antes de entrar no centro cirúrgico ou nas UTIs, é necessário trocar de roupa. Depois disso, para sair, é preciso fazer uma nova troca. A oferta de álcool em gel, o uso de máscaras nos casos necessários e um rígido regulamento sobre adereços e acessórios também compõem a lista de medidas para evitar infecções.

Arte: Agência Saúde/DF

 

LEIA TAMBÉM

PD nas redes

FãsCurtir
SeguidoresSeguir
SeguidoresSeguir
InscritosInscrever