13.5 C
Brasília
28 maio 2024 06:58


R$ 630 milhões de investimentos que transformaram o Sol Nascente

Desde 2019, cidade tem recebido obras de infraestrutura e equipamentos públicos como a rodoviária, restaurante comunitário e futuramente uma UPA e um Instituto Federal de Educação

Por Ian Ferraz e Jak Spies

Sem infraestrutura não há cidade capaz de se desenvolver e construir a própria história. Essa narrativa de esquecimento teve uma grande mudança de percurso para o Sol Nascente/Pôr do Sol a partir de 2019, quando ela foi transformada em região administrativa. Desde então, o Governo do Distrito Federal (GDF) tem investido cerca de R$ 630 milhões para levar saneamento básico, água, luz e equipamentos públicos aos 95 mil moradores da cidade.

Sol Nascente/Pôr do Sol já recebeu R$ 285 milhões somente nas obras concluídas na área de infraestrutura, que é a parte de urbanização nas áreas de educação, social, justiça e cidadania, além das áreas de saúde e meio ambiente. Os investimentos em execução alcançam mais R$ 346 milhões.

O Restaurante Comunitário do Sol Nascente serve café da manhã, almoço e jantar por R$ 2 | Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Esses recursos são essenciais para que o Sol Nascente possa receber equipamentos de educação, como o Instituto Federal, e de Saúde, como uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA). E também para que a população possa usufruir das entregas, a exemplo do restaurante comunitário, da rodoviária e de escolas e creches. Atualmente, a região conta, por exemplo, com 95% de esgoto e água potável, marca que deve aumentar com novos investimentos da Caesb na cidade. Ano a ano, o básico e o essencial têm chegado à vida dos moradores.

Desafios

Transformar uma região com um rápido crescimento não é simples. Se no ano 2000 eram sete mil moradores, em dez anos essa marca passou para 75 mil e hoje são cerca de 100 mil pessoas habitando a cidade.

“Ter criado a região administrativa foi uma forma de levarmos mais equipamentos públicos e infraestrutura para um dos locais mais carentes do DF”

Ibaneis Rocha, governador

“Antes mesmo de ser eleito já tinha noção dos desafios enormes para essa população. Ter criado a região administrativa foi uma forma de levarmos mais equipamentos públicos e infraestrutura para um dos locais mais carentes do DF”, afirma o governador Ibaneis Rocha.

Para seguir essa evolução, o GDF tem dado continuidade às obras de infraestrutura dos Trechos 1 e 3, uma vez que o Trecho 2 foi concluído. Em todos eles, os serviços concentram-se na pavimentação asfáltica e em blocos intertravados, drenagem, instalação de meios-fios, construção de calçadas, sinalização horizontal e vertical, além de bacias de detenção.

Mais obras

Uma novidade é a abertura de licitação para construção da sede da Administração Regional da cidade. O processo foi aberto nesta sexta-feira (12) pela Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap). Para esta obra, o investimento será de R$ 6,7 milhões. Quando concluída, os servidores ficarão alocados no SHSN, Quadra 105, Conjunto Y, AE 1.

Todas essas obras e projetos da cidade são elencadas pelo secretário de Governo, José Humberto Pires de Araújo, como essenciais para estruturar a cidade e permitir à população usufruir da cidade. “Quando o governador Ibaneis Rocha assumiu o primeiro mandato, ele colocou como prioridade o atendimento às pessoas que mais precisam. É um compromisso que ele tem de melhorar a qualidade de vida das pessoas que estão na periferia, sobretudo nas 12 áreas que são mais carentes do Distrito Federal, entre elas o Sol Nascente/Pôr do Sol. E ele montou esse plano de urbanização completo com a chegada dos equipamentos públicos para a cidade”, explica o secretário.

Reconhecimento

Maria Cardoso Salles: “Quando cheguei aqui era tudo mato, e hoje temos uma cidade. Eu amo esse lugar” | Foto: Lúcio Bernardo Jr./Agência Brasília

Quem mora na cidade reconhece, apesar de todas as dificuldades e transtornos com obras, as melhorias. É o caso da costureira Maria Cardoso Salles, 48 anos. “Melhorou bastante. Aqui não tinha luz, não tinha água, e hoje nós temos. Só tinha um ônibus rural com apenas três horários. Hoje nós temos ônibus para todos os lugares. Temos supermercado, farmácia, lojas. Valorizou bastante. O Sol Nascente foi oportunidade para muita família que morava de aluguel”, contabiliza Maria.

Ela também agradece ao governo pela transformação na cidade. “Sei que muitas pessoas egoístas não veem, mas quando cheguei aqui era tudo mato, e hoje temos uma cidade. Eu amo esse lugar”, admite.

Edson Batista: “Nós tivemos melhoria de águas pluviais, de asfalto de rua. A chegada dos equipamentos públicos é uma coisa importante para a nossa comunidade” | Foto: Lúcio Bernardo Jr./ Agência Brasília

Quem também percebe a mudança pouco a pouco nas quadras da cidade é o líder comunitário Edson Batista Lopes, 43. “Nós tivemos melhoria de águas pluviais, de asfalto de rua. A chegada dos equipamentos públicos é uma coisa importante para a nossa comunidade. O GDF tem investido muito aqui e tem transformado o Sol Nascente em uma grande cidade”, elogia.

A paixão de Maria Cardoso e de Edson é compartilhada pela maioria dos moradores da cidade. Para 86% dos residentes, não há qualquer intenção de mudar de cidade, conforme a Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (Pdad) elaborada pelo Instituto de Pesquisa e Estatística do Distrito Federal (IPEDF).

Confira, abaixo, os principais feitos no Sol Nascente/ Pôr do Sol:

Arte: Agência Brasília

Desenvolvimento social

O Sol Nascente já contava com um restaurante comunitário na QNR 1, Área Especial 2, e ganhou mais um, na Quadra 105 do Trecho 2. A nova unidade tem 1.380 m², refeitório, depósito de alimentos, banheiros, bilheteria, caldeira, reservatório de água e casa de gás e capacidade para servir até 3,6 mil refeições diárias, de domingo a domingo, por apenas R$ 2 o café da manhã, almoço e jantar.

Além disso, o GDF está investindo R$ 1,6 milhão na construção de uma unidade da Casa da Mulher Brasileira, a ser gerida pela Secretaria da Mulher e financiada com emendas federais e recursos do próprio governo.

A unidade terá aproximadamente 270 m² de área construída, será equipada para fornecer suporte abrangente, incluindo recepção, depósito, copa, banheiros e diversas salas especializadas, como coordenação técnica, atendimento individual, multifuncional, atendimento em grupo e convivência. Além disso, a CMB contará com brinquedoteca e fraldário.

Em outra frente, o GDF inaugurou, em 2022, a sede do conselho tutelar da cidade, localizada no SHSN, Trecho 1, Quadra 101, AE-1. A estrutura é o bastião dos direitos das crianças e adolescentes e, para sair do papel, recebeu investimento de R$ 1,3 milhão. A sede tem capacidade para atender 24 mil famílias da região administrativa.

Educação

Primeira creche na área do Pôr do Sol, o Cepi Jandaia tem capacidade para atender 188 alunos | Foto: Renato Alves/Agência Brasília

O governo entregou a primeira creche na área do Pôr do Sol, o Cepi Jandaia, com capacidade para 188 alunos, e a primeira na área do Sol Nascente, o Cepi Sarah Kubitschek, com o mesmo número de atendimentos. Além disso, abriu as portas da Escola Classe JK, para 900 alunos. Além disso, o GDF, por meio da Terracap, cedeu um terreno para construção de uma unidade do Instituto Federal de Educação.

Mobilidade

A cidade ganhou abrigos e novas linhas de ônibus para melhorar a mobilidade no local | Foto: Vinícius de Melo/Agência Brasília

A mobilidade foi ampliada com a rodoviária construída na Quadra 105, no Trecho 2, para atender mais de 20 mil pessoas. O terminal tem seis baias para embarque, 10 pontos de estocagem, 14 vagas de estacionamento para carros e 11 para motos, paraciclos com 24 vagas, três salas para apoio administrativo, além de lanchonete e banheiros com acessibilidade.

O GDF também construiu dezenas de abrigos de ônibus e implantou novas linhas de ônibus. Os passageiros passam a contar com o aumento de 43 viagens em linhas já existentes, o que será possível com o reforço de oito novos ônibus da BsBus (antiga São José).

Moradia

O GDF atua em ações voltadas para famílias de baixa renda em áreas de interesse social | Foto: Tony Oliveira/Agência Brasília

A cidade também é atendida com o programa Melhorias Habitacionais, da Companhia de Desenvolvimento Habitacional (Codhab). Já foram entregues 588 unidades habitacionais, o que representa moradia para mais de 2,3 mil pessoas. Os apartamentos se dividem entre os empreendimentos Parque do Sol e Residencial Horizonte.

Em outra frente, o GDF atua em ações voltadas para famílias de baixa renda em áreas de interesse social. Na cidade, 11 casas foram reformadas.

Saúde

Na pandemia, o GDF inaugurou um hospital de campanha ao lado da primeira UPA de Ceilândia. Ele se transformou no Hospital Cidade do Sol e atende a região. Além disso, o GDF trabalha no projeto da maior UPA do DF, do tipo III, que será construída na cidade.

Limpeza urbana

A cidade conta com coleta convencional porta a porta, de segunda a sábado, nas ruas em que há acesso para os caminhões compactadores. Onde não é possível o acesso, a população pode usar um dos 57 papa-lixos em operação na região. O serviço de varrição manual é realizado na região de segunda a sábado e há duas unidades de papa-entulhos para atender a cidade, localizadas na QNP 28 e na QNN 29 em Ceilândia.

Saneamento básico

Como parte do projeto de urbanização e na garantia da qualidade de vida da população do Sol Nascente/Pôr do Sol, o GDF já investiu mais de 60 milhões em obras de saneamento básico na cidade desde 2019. A rede de esgotamento atende atualmente a 90 mil moradores, enquanto 95% dos lares já possuem redes de abastecimento de água. Atualmente, 26 mil imóveis têm ligações de água regular, e 20 mil, ligações de esgoto legal.

Para atingir esse marco no saneamento básico, foram construídos 259 km de rede de esgoto e 177 km de rede de água nos três trechos da cidade. Essa extensão de rede equivale ao percurso entre Brasília e Goiânia. Toda essa infraestrutura está integrada às seis estações elevatórias de esgoto bruto (EEBs) construídas na região administrativa.

Sinalizações de trânsito

Por meio do Detran-DF, foram implantadas 353 sinalizações no Sol Nascente. Desse total, 179 são vagas de estacionamento, 10 são faixas de pedestres, e 123 são lombadas, além de outras sinalizações como legendas para motos, para pessoas com deficiência, indicações de retenções, alças zebradas e passagens de pedestres. A região também foi equipada com 50 postes balizadores de trânsito na entrada e saída da via principal, visando proporcionar maior segurança a pedestres e motoristas, além de garantir a fluidez no trânsito nas rotatórias.

Segurança pública

A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF) destaca que a consolidação das políticas adotadas por meio do Programa DF Mais Seguro – Segurança Integral tem resultado na redução da criminalidade em todo o Distrito Federal. Em ações coordenadas com diferentes setores do governo e da sociedade, além do investimento em inteligência e capacitação e uso de tecnologia, o reflexo também é sentido no Sol Nascente/Pôr do Sol.

Na cidade, foi registrada redução nos crimes contra o patrimônio, com queda de 57,14% no roubo de veículos e 23,1% a menos de roubos a transeuntes na comparação entre o primeiro trimestre deste ano com o mesmo período do ano passado.

Além disso, o Programa de Videomonitoramento Urbano (PVU) atenderá, até o final deste ano, 33 das 35 Regiões Administrativas do Distrito Federal, incluindo o Sol Nascente. O monitoramento é feito de maneira integrada entre as forças de segurança e outros 31 órgãos, bem como instituições e agências do governo local e federal. Atualmente, o programa já conta com 1.190 câmeras instaladas.

LEIA TAMBÉM

PD nas redes

FãsCurtir
SeguidoresSeguir
SeguidoresSeguir
InscritosInscrever