15.5 C
Brasília
23 maio 2024 02:25


DF apresenta ações contra a dengue em reunião com o governo federal

Em coletiva de imprensa no Ministério da Saúde nesta terça (27), secretária de Saúde enfatizou que enfrentamento da doença requer trabalho conjunto

Durante entrevista coletiva promovida nesta terça (27) pelo Ministério da Saúde para apresentar o cenário epidemiológico da dengue no país, a secretária de Saúde do DF, Lucilene Florêncio, citou o trabalho desenvolvido pela pasta, como o Dia D de combate à doença – realizado todos os fins de semana no DF -, além do aumento da testagem e do acesso às unidades básicas de saúde (UBSs).

“O combate à dengue é um trabalho intersetorial”, afirmou a secretária de Saúde, Lucilene Florêncio (E), durante a coletiva de imprensa | Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde

“Hoje, por exemplo, o DF conta com mais de 100 mil casos prováveis da doença, e estamos lutando para combater o mosquito”, afirmou a gestora, que representou o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) no encontro. “O combate à dengue é um trabalho intersetorial. Quando falo da doença, falo de hábitos de vida, da educação, de todos os cuidados e da prevenção. Hoje, o DF conta com mais de 100 mil casos prováveis da doença, e estamos lutando para combater o mosquito.”

Cuidados essenciais

“É uma luta que só vamos conseguir combater se trabalharmos juntos. Por isso, é de muita importância a ação dos agentes comunitários e de combate às endemias”

Hisham Mohamad, presidente do
Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, reforçou que são essenciais para o tratamento da doença cuidados como hidratação, prevenção e o manejo adequado, especialmente para evitar o agravamento. Ela lembrou que o comportamento atípico do vírus se deve a diversos fatores, como as alterações climáticas e a mudança nos sorotipos circulantes da dengue.

“Temos muitos casos em cidades médias e pequenas, em locais onde antes não havia a doença”, alertou. “Isso causa uma interiorização e uma dispersão, o que levanta esforços. Há ainda uma grande incidência de casos do tipo 2 do vírus; cerca de 40% das ocorrências são deste sorotipo. É um fator inédito.”

O presidente do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems), Hisham Mohamad, ressaltou o papel dos profissionais de Saúde: “É uma luta que só vamos conseguir combater se trabalharmos juntos. Por isso, é de muita importância a ação dos agentes comunitários e de combate às endemias”.

Como forma de reforçar as ações de prevenção, o Ministério da Saúde  anunciou a realização nacional do Dia D de combate à doença, que será realizado no sábado (2/3), com o tema 10 minutos contra a dengue. No DF, o Dia D ocorrerá na Região Administrativa do Sol Nascente.

Curva epidemiológica

No cenário nacional, o MS demonstrou que a curva epidemiológica da dengue foi “antecipada”: enquanto em 2023 o pico ocorreu no final de março, neste ano, os casos já estão aumentando desde o final de janeiro. As ocorrências têm se mostrado maiores entre jovens de 20 a 29 anos, ao passo que os casos graves se concentram na faixa etária acima de 70 anos.

Apesar disso, representantes do MS informaram que a letalidade da doença está menor que a de 2023, em comparação aos casos graves e óbitos registrados nas primeiras oitos semanas deste ano. A taxa no ano passado ficou em 4,87, índice que, no mesmo período deste ano, está em 2,51.

Dados no DF

O último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde (SES-DF) registrou 100.558 casos prováveis da doença desde o início deste ano. Na última semana, foram mais 19.150 casos. O documento também traz a confirmação de 55 óbitos desde o início do ano, além de outros 82 em confirmação.

Em números absolutos, Ceilândia registrou o maior número de casos prováveis – 17.477 -, seguida por Taguatinga (5.329), Sol Nascente/Pôr do Sol (5.042), Brazlândia (4.807) e Samambaia (4.268).

As 12.704 amostras de exames com PCR detectáveis no DF permitiram confirmar 11.370 infecções do sorotipo viral DenV-2 e 1.134 dos sorotipos DenV-1. Não há registros dos sorotipos DenV-3 e DenV-4.

LEIA TAMBÉM

PD nas redes

FãsCurtir
SeguidoresSeguir
SeguidoresSeguir
InscritosInscrever