15.5 C
Brasília
20 maio 2024 07:28


Celina Leão reforça verba para construção do novo Centro de Referência em Doenças Raras

Unidade atende cerca de 6 mil pacientes por ano. Novo bloco, localizado no Hospital de Apoio de Brasília, permitirá ampliação do serviço

Por Larissa Lustoza

Durante entrevista coletiva, realizada na última semana de 2023, a governadora em exercício do Distrito Federal, Celina Leão, reforçou o investimento de R$ 23 milhões para a construção do novo Centro de Referência de Doenças Raras (CRDR). Os recursos são provenientes de emendas parlamentares.

“São R$ 18 milhões de emendas minhas da época em que era deputada federal e mais R$ 5 milhões que o deputado distrital Eduardo Pedrosa está complementando”, explicou a gestora.

Atualmente, a unidade funciona em um espaço limitado no Hospital de Apoio de Brasília (HAB) e conta com a assistência de outras unidades de saúde, como os hospitais Materno Infantil de Brasília (Hmib), Regional da Asa Norte (Hran) e da Criança de Brasília (HCB). “É um hospital especializado para cuidar dessas crianças, dessas pessoas. Quem tem uma doença rara precisa de um acompanhamento para o resto da vida, e nós temos um time de geneticistas maravilhosos que trabalham na rede pública, somos referência no Brasil”, afirmou Celina Leão.

O CRDR atende cerca de 6 mil pacientes por ano e com a construção do novo bloco, a expectativa é que haja a ampliação dos serviços. Além disso, a expansão da unidade irá agilizar e facilitar o acesso à equipe especializada para diagnóstico e tratamento adequados.

A Referência Técnica Distrital (RTD) em Doenças Raras, a médica geneticista Maria Teresa Alves, explica que o bloco proporcionará um aumento dos atendimentos multidisciplinares em doenças raras, exames genéticos e terapias de infusão enzimática, para crianças e adultos.

“A construção surge da necessidade de prestar um atendimento integral aos pacientes com doenças raras, reduzindo sua jornada até o diagnóstico e início do tratamento, visando melhora na qualidade de vida e sobrevida desses pacientes. Estima-se que há 150 mil pessoas no DF com alguma doença rara”, esclarece.

Doenças Raras

Por definição da Organização Mundial da Saúde (OMS), uma doença é rara quando afeta até 65 pessoas a cada 100 mil habitantes. Dados da OMS mostram que cerca de 80% das enfermidades são adquiridas geneticamente, enquanto os outros 20% podem ser causados de maneira degenerativa, infecciosa ou viral.

O DF é o único no país que realiza a testagem ampliada para 50 patologias raras e o número aumentou, por meio da Lei Distrital n° 6.382/2019, para 70 enfermidades. A legislação garante a todas as crianças nascidas nos hospitais e demais estabelecimentos de Atenção à Saúde de gestantes da rede pública de saúde do DF o direito ao teste do pezinho, em sua modalidade ampliada.

“A construção do novo bloco permitirá a ampliação dos serviços e facilitará o acesso a uma equipe especializada para diagnóstico e tratamento adequados”, explica a Referência Técnica Distrital em Doenças Raras do DF.

Atendimento

O HAB é referência em genética e doenças raras, ofertando atendimento para todas as faixas etárias, crianças e adultos, desde recém-nascidos até idosos.
Há tratamentos em genética geral/deficiência intelectual, Transtorno do Espectro Autista (TEA), doenças neuromusculares, oncogenética, endocrinologia pediátrica geral, entre outros. Os atendimentos ambulatoriais são realizados com apresentação do encaminhamento médico.

LEIA TAMBÉM

PD nas redes

FãsCurtir
SeguidoresSeguir
SeguidoresSeguir
InscritosInscrever