27.5 C
Brasília
24 fev 2024 14:29


“Vivi cenas de terror”, diz administradora espancada por companheiro

Lúcia Gomes, administradora regional de Água Quente, foi torturada por seis horas pelo companheiro, Rossini Marian Pires Fagelli

Por Jade Abreu

O medo e a violência que Lúcia Gomes, 50 anos, viveu deixarão marcas na administradora regional de Água Quente. No último domingo (26/11), ela foi agredida pelo companheiro, Rossini Marian Pires Fagelli, 44 anos. Ele espancou a vítima com um pedaço de madeira. “Vivi cenas de terror”, contou Lúcia.

“Nunca tinha passado por isso, nunca tinha pensado em passar por isso”, destacou a administradora. Ela detalhou as seis horas de tortura a que foi submetida naquele dia.

“Eu estava lavando roupa em casa e foi quando ele me chamou para a sala. Fui ver o que era, e ele me pediu para eu ficar sentada no chão. Eu não estava entendendo nada, mas fiz”, relatou. “Foi quando ele perguntou se eu tinha um amante. Quando eu neguei, ele me bateu com uma ripa do telhado e disse que só ia parar quando eu confirmasse.”

A violência ocorreu na casa onde os dois moravam, na região administrativa de Água Quente. Antes de cometer as agressões, Rossini chegou a tomar o celular da vítima e aumentar o volume de um aparelho de som, para abafar os gritos de Lúcia.

O Metrópoles apurou que o agressor estaria sob efeito de cocaína quando cometeu o crime.

Por seis horas, a mulher apanhou em sequência. “Ele só parou quando ouviu o que queria ouvir desde o início. Eu menti para poder escapar”.

Em seguida, Lúcia contou que precisou manter o sangue frio. “Eu queria sair de casa, tinha medo de ficar lá com ele porque tem muitas facas”. Ela passou a roupa dele para que os dois fossem à igreja.

Parada em padaria

No caminho para a igreja, ela pediu a Rossini para parar em uma padaria para comprar pão. No estabelecimento, a mulher avistou uma equipe de policiais penais e, aproveitando um descuido do marido, aproximou-se dos agentes. Lá, informou que estava sendo vítima de violência doméstica e pediu ajuda.

O homem teria se aproximado deles, sendo afastado pelos mesmos policiais. E, em seguida, fugiu.

Medida protetiva

Lúcia foi levada pelos policiais penais à 26ª Delegacia de Polícia (Samambaia Norte). Ela pediu uma medida protetiva. Nessa segunda-feira (27/11), o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFTproibiu que Rossini se aproxime de Lúcia. Pela Justiça, ele deverá ficar a, no mínimo, 300 metros de distância dela.

“Afastamento do lar, recinto ou local de convivência com a vítima, podendo o ofensor levar consigo apenas os bens de uso estritamente pessoal (vestuário, documentos, utensílios de trabalho), devendo informar ao Juízo natural da causa, no prazo de 48 horas, o novo endereço em que poderá ser encontrado”, destacou a decisão.

Rossini também está proibido de entrar em contato com a vítima por telefone ou redes sociais. Ele também não pode se aproximar da residência em que os dois moravam.

Passagens judiciais

Os dois se conhecem há 16 anos, mas estavam em um relacionamento sério há 6 meses. Rossini é investigado por violência doméstica. Mas essa não é a primeira vez que o homem está na mira da polícia. O homem ficou 15 anos preso por homicídio qualificado, roubo e porte ilegal de arma de fogo.

Em 2005, foi condenado a 25 anos de cadeia, mas teve redução de pena. O Metrópoles teve acesso ao processo de Rossini que tramitou na Justiça.

Ao longo da detenção no Complexo Penitenciário da Papuda, Rossini fugiu quatro vezes. Na primeira vez, conseguiu ficar quatro meses como foragido, de 30 de novembro de 2005 até 17 de março de 2006. Na segunda fuga, o homem ficou um mês fora da cadeia: de 1º de abril de 2013 até 1º de maio do mesmo ano.

Ainda em 2013, Rossini fugiu pela terceira vez: de 1ª de dezembro daquela ano até 1º de janeiro de 2014. A última foi o período mais longo, ocorrendo de 24 de agosto de 2018 até 15 de março de 2019.

Também no tempo em que esteve na cadeia, Rossini foi flagrado com drogas dentro do presídio. Apesar do histórico, o homem conseguiu o direito a cumprir o regime semiaberto.

Ele também havia solicitado ter direito a prisão condicional em setembro do ano passado. Com o pedido, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) se mostrou contrário ao livramento e o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) negou o pedido. Ele ficou na cadeia até março deste ano.

Imagens da agressão

Imagens obtidas pelo Metrópoles revelam que Lúcia ficou com diversas manchas escuras nas pernas após sofrer as agressões com um pedaço de madeira. Veja:

LEIA TAMBÉM

Brasília
chuva fraca
27.5 ° C
27.5 °
27.5 °
54 %
3.6kmh
75 %
sáb
28 °
dom
26 °
seg
26 °
ter
26 °
qua
27 °

PD nas redes

FãsCurtir
SeguidoresSeguir
SeguidoresSeguir
InscritosInscrever