21.5 C
Brasília
23 abr 2024 01:55


Empresas associadas da construção civil contam com benefícios no BRB

Novo pacote do BRB terá taxas competitivas e cartão de crédito com anuidade baixa para pessoas jurídicas, entre outras vantagens

O Banco BRB anunciou nesta terça-feira (14) um pacote de valor para os clientes associados ao sindicato da indústria da construção civil do Distrito Federal (Sinduscon-DF). O acordo de cooperação técnica assinado atende a mais de 270 empresas associadas à entidade.

Entre os destaques oferecidos estão as taxas competitivas. Capital de giro a partir de 1,85% ao mês para médias e grandes empresas e 1,90% a.m. para as demais; taxas especiais na maquininha BRBPAY a partir de 0,99% para o débito e 2,69% para o crédito à vista. Outros benefícios como valor único de R$ 1,40 na cobrança, tarifado apenas na liquidação; isenção da tarifa de folha de pagamento; e cartão de crédito PJ com anuidade de apenas 12 x R$ 20 são diferenciais.

“Nosso esforço para impulsionar a construção civil está relacionado ao impacto democrático que o setor tem na transformação de vidas por meio, principalmente, da geração de emprego e renda”Paulo Henrique Costa, presidente do BRB

O presidente do BRB, Paulo Henrique Costa, destacou que a soma entre as carteiras PJ e imobiliário do banco era de apenas 5% há quase 5 anos, e hoje equivale a 39%. “Nosso esforço para impulsionar a construção civil está relacionado ao impacto democrático que o setor tem na transformação de vidas por meio, principalmente, da geração de emprego e renda. Essa dimensão nos deu a oportunidade de ser verdadeiramente o banco de fomento e desenvolvimento do DF e região”, afirma.

Avaliando a melhora do cenário econômico e a continuidade do ciclo de queda da taxa Selic, Costa sugeriu que os empresários aproveitem as oportunidades de negócios que surgirão. “O banco já concedeu empréstimos de R$ 12 bilhões nos 10 meses que já se passaram em 2023. Para 2024, a meta é gerar muito mais crédito e, consequentemente, auxiliar o setor a alavancar muito mais a economia”, comentou.

LEIA TAMBÉM