21.5 C
Brasília
24 fev 2024 00:22


Falas homofóbicas de André Valadão entra na mira de investigação do MPF

Ministério Público vai apurar possível prática de homofobia

Por Kleber Karpov

O Ministério Público Federal (MPF), do Acre abriu um procedimento investigativo para apurar uma fala considerada homofóbica, de pregação do pastor da Igreja Batista da Lagoinha, André Valadão, transmitida no domingo (2/Jul), por meio das redes sociais. Ao aborar ‘valores cristãos’ e condenar o casamento homoafetivo, Valadão realizou incitação ao crime de ódio, durante culto realizado no campus da igreja em Orlando, nos Estados Unidos.

“Essa porta [casamento homoafetivo] foi aberta quando nós tratamos como normal aquilo que a bíblia já condena. Então, agora é hora de tomar as cordas de volta, dizendo não, não, não. Pode parar, reseta. E Deus fala: Não posso mais. Já meti esse arco-íris aí. Se eu pudesse, eu matava todo mundo a começava tudo de novo. Mas, prometi para mim mesmo que não posso, então, está com vocês. Vamos para cima. Eu e minha casa serviremos ao Senhor”, afirmou.

De acordo com o MPF, a investigação deve apurar a possível prática de homofobia. Segundo o procurador Lucas Costa Almeida Dias, responsável pela Procuradoria dos Direitos do Cidadão (PRDC) que abriu o procedimento investigativo, após tomar conhecimento de matérias jornalísticas que divulgaram o vídeo sobre o caso, após a apuração dos fatos, o órgão adotará as medidas cabíveis.

Representações

Por meio das redes sociais, o senador Fabiano Contarato (PT/ES), informou que entrou com representação junto ao MPF além de pedir prisão preventiva de Valadão. O parlamentar requereu ainda uma “reparação no valor mínimo de R$ 1 milhão, por danos morais coletivos, pelo discurso de ódio e pela conduta que não se restringiu a uma pessoa determinada, mas a todo o grupo de pessoas LGBTQIA+”.

Também a deputada Erika Hilton (PSOL/SP), questionou a postura de Valadão e comemorou a representação do MPF de Minas Gerais, que também abriu inquérito criminal contra o pastor. “O Ministerio Público abriu uma Investigação Criminal contra o Pastor André Valadão após reiterados crimes de LGBTfobia, graças aos pedidos feitos por mim. LGBTfobia é crime! Chega de impunidade e de incitar a violência contra nossa comunidade”.

Em um tom mais contundente, o deputado federal, André Janones (Avante/MG), condenou a fala de Valadão, o qual classificou de “adorador do domônio”. O parlamentar, que é evangélico conclamou às pessoas, não evangélicas, que não julguem a comunidade evangélica em decorrência da fala do “bandido”.

“AGORA: Ministério Público Federal abre investigação contra o pastor adorador do demônio que usou o púlpito de uma igreja para pedir aos fiéis que MATEM homossexuais. Aos que não são evangélicos peço que não nos julguem pelas falas desse bandido, pois elas em nada se assemelham com o evangélico de Cristo. Ele é só um anticristo adorador de satanás que usa o nome de Deus para confundir e afastar as pessoas do evangelho.”

Defesa

Em um vídeo publicado em suas redes sociais, após as declarações, Valadão disse estava em sua igreja e “pregando a palavra de Deus”. De acordo com o pastor, tais falas estavam  no contexto do texto bíblico do livro de Gênesis, que cita a destruição da humanidade no dilúvio. Ao citar a palavra resetar, Valadão afirmou que se referiu a “levar à humanidade de volta para Deus”.

“Quando eu digo nós resetarmos, eu não digo nós matarmos. Eu não digo nós aniquilarmos pessoas. O que eu digo é que cabe a nós levar o homem, o ser humano ao princípio que é a vontade de Deus. Cabe a nós, cristãos genuínos, erguemos nossa voz e deixarmos claro aquilo que é a vontade de Deus”, concluiu.

LEIA TAMBÉM

Brasília
chuva fraca
21.5 ° C
21.5 °
19.8 °
88 %
3.1kmh
75 %
sáb
26 °
dom
27 °
seg
27 °
ter
26 °
qua
20 °

PD nas redes

FãsCurtir
SeguidoresSeguir
SeguidoresSeguir
InscritosInscrever