19.5 C
Brasília
25 fev 2024 10:26


Com transplante de pele, unidade de queimados do HRAN transforma vida de pacientes

Desde 2019, o hospital realiza procedimentos desse tipo. Criado há 35 anos, o local recebe cerca de 3 mil pacientes por ano

Por Michelle Horovits

O adolescente Etelvino Mateus tinha 13 anos quando sofreu um acidente doméstico e teve 70% do corpo queimado por líquido inflamável. Ele deu entrada na Unidade de Queimados do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) com braços e parte dos membros inferiores afetados. Após passar por um transplante de pele há dois anos e extenso processo de fisioterapia, pois o atendimento é multidisciplinar, hoje, Etelvino está 100% recuperado.

Os transplantes de pele começaram a ser feitos no hospital em 2019, por meio de concessões emergenciais. A partir de 2023, com o aval do Ministério da Saúde, médicos do Hran foram qualificados com autorização permanente, tornando o processo mais ágil. Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF.

Os transplantes de pele começaram a ser feitos no hospital em 2019, por meio de concessões emergenciais. A partir de 2023, com o aval do Ministério da Saúde, médicos do Hran foram qualificados com autorização permanente, tornando o processo mais ágil.

O chefe da equipe de transplante de pele do Hran, Fernando Pontes, conta que, como os de tantos outros pacientes, o procedimento em Etelvino foi um sucesso. “Os bons resultados de recuperação são também reflexo da atuação multidisciplinar da unidade. Há diversas linhas de cuidado e olhares em busca de um objetivo único: a cura dos pacientes e a solução do problema.”

“Os bons resultados de recuperação são também reflexo da atuação multidisciplinar da unidade. Há diversas linhas de cuidado”, destaca o chefe da equipe de transplante de pele do Hran, Fernando Pontes. Foto: Agência Saúde-DF.

Mãe do adolescente, hoje com 15 anos, Gizeane Oliveira, 30 anos, destaca o apoio do hospital. “A equipe do Hran foi extremamente atenciosa na recuperação do meu filho. Hoje, ele leva uma vida normal, estuda, brinca, joga videogame e adora esporte”, diz.

Capacitação

Para oferecer o melhor atendimento, os profissionais investem em capacitação. “Conheci novas tecnologias de tratamento como matrizes de regeneração dérmica [da pele] e precisamos alcançá-las para incorporar aos nossos processos”, relata Fernando que, neste mês, participou de um congresso sobre queimados na Irlanda. O médico reforça que, no Brasil, a qualidade da assistência e os protocolos são excelentes.

A fisioterapia também é parte essencial do processo de recuperação, pois reduz o impacto nas funções e evita retrações que impedem os movimentos e, no caso de Etelvino, o desenvolvimento. “Esses cuidados vão até a fase adulta”, aponta o especialista, ao destacar a importância dos cuidados pós-transplante.

Kessia Pereira, de 30 anos, sofreu um acidente doméstico com líquido inflamável em 2019 e teve 75% do corpo queimado. Depois de 57 dias de tratamento e várias cirurgias, ela fez fisioterapia por três anos para restabelecer a movimentação dos braços.

“Tenho algumas limitações, pois tive um encurtamento na mão, mas fiz fisioterapia no Hran por muito tempo para melhorar. A equipe foi fundamental para minha melhora, também tive um acompanhamento nutricional que ajudou muito. Apesar dos meus desafios, hoje tenho uma vida nova”, afirma Kessia.

Fernando lembra que o procedimento de Kessia foi um desafio, pois ela tinha uma parte muito extensa do corpo queimada. “Sem o transplante, é provável que ela não tivesse conseguido. Ela fez diversas cirurgias durante a internação e atualmente está reabilitada. É realmente um caso de sucesso.”

Referência

A Unidade de Queimados recebe, anualmente, cerca de 3 mil pacientes, cuja média de internação é de 10% (cerca de 300 casos ao ano). As pessoas atendidas recebem cuidados de uma equipe multidisciplinar, mesmo após a alta hospitalar. O espaço conta com equipe de médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, nutricionistas, psicólogos, fisioterapeutas e o suporte da assistência social.

O pronto-socorro de queimados do Hran funciona 24 horas, todos os dias. Após os primeiros cuidados, caso seja preciso, o paciente é encaminhado para a internação. A unidade, além de atender pacientes do entorno do DF, é referência para o Centro-Oeste, o norte de Minas Gerais e o oeste baiano.

LEIA TAMBÉM

Brasília
céu limpo
19.5 ° C
19.5 °
18.1 °
88 %
1.5kmh
0 %
dom
26 °
seg
26 °
ter
26 °
qua
27 °
qui
29 °

PD nas redes

FãsCurtir
SeguidoresSeguir
SeguidoresSeguir
InscritosInscrever