Ibaneis inaugura Hospital de Campanha de Ceilândia

54
Print Friendly, PDF & Email

Por Kleber Karpov

Na quinta-feira (21/Jan), o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), inaugurou o Hospital de Campanha de Ceilândia, situado na QNN 27 daquela Região Administrativa. A construção com de 22.900m2 e um investimento de R$ 10,4 milhões para a edificação foi anunciada por Rocha, em maio de 2020, com o início da chegada da pandemia do coronavírus (Covid-19) no DF e posteriormente, com a proposta de acomodar, posteriormente, uma estrutura voltada para o atendimento materno-infantil.

Com a inauguração do Hospital de Campanha, a Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF), passa de 273 para 293 leitos com suporte de ventilação mecânica. Embora, no auge da pandemia, o Distrito Federal tenha contabilizado um montante de 761 unidades, provenientes de recursos próprios e contratados.

Na ocasião, Rocha ratificou a importância da unidade à comunidade de Ceilândia. “Esse hospital inicia como de campanha, mas segue como definitivo para a população de Ceilândia e de todo o DF”.

O governador lembrou ainda, a recente reforma e ampliação do Hospital Regional de Ceilândia e o compromisso do governo para com a saúde pública do DF. “Nós estamos reconstruindo a saúde no Distrito Federal. Tenho certeza que vamos entregar uma saúde bem melhor para a população”. Ceilândia, informa o governador, também ganhará uma nova UPA e mais uma nova Unidade Básica de Saúde (UBS).

Profissionais

Para atender a demanda, o o Hospital de Campanha conta com 280 profissionais de saúde temporários. Desses, um total de 20 médicos, 41 enfermeiros, 160 técnicos de enfermagem, além de nutricionistas, psicólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, farmacêuticos bioquímicos e técnicos administrativos.

Como bem observa a SES-DF observa que tais profissionais dispõem de instrumentos utilizados no hospital de campanha Mané Garrincha, desativado após o DF controlar e estabilizar, a quantidades de casos de Covid-19.

Presentes

Além do governador, a inauguração do evento contou com a presença de diversas autoridades, a exemplo do secretário de Saúde, Osnei Okumoto, e de outros secretários do governo, bem como do presidente da Câmara Legislativa do DF (CLDF), Rafael Prudente e colegas da casa legislativa.

Ausente

Estranhamente, foi percebido a ausência do ex-presidente, atual vice-presidente, da Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC), da CLDF, o deputado distrital Jorge Vianna (Podemos), egresso da saúde e defensor de servidores e dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) do DF. No entanto, por meio de postagem na rede social, Facebook, dirigida à comunidade de Ceilândia, Vianna justificou a ausência na inauguração do Hospital de Campanha.

Responsabilidade

A nota chama atenção ao pontuar a necessidade de ser responsável, e não correr o risco de promover uma eventual transmissão do coronavírus, caso estivesse realmente infectado. “Como profissional de saúde, minha responsabilidade é ainda maior, uma vez que os sintomas da sinusite e da covid-19 são semelhantes. Logo, não quero colocar em risco a saúde de ninguém, caso o resultado dos testes venha a ser positivo”, explicou Vianna.

Em tempo, nesta sexta-feira, o deputado, em nova postagem comemorou o resultado do exame realizado no laboratório Sabin, para Covid-19.