Coronel Sheyla deixa comando da PM, com postura de uma verdadeira comandante, diz tropa

9678
Print Friendly, PDF & Email

Saio de cabeça erguida e confiante de que fiz o melhor para a Corporação e para a sociedade do DF

Postado por Poliglota com informações do CB…

Atender os anseios da sociedade, mas também defender sua instituição e seus integrantes custou caro a ex-comandante geral da Polícia Militar, coronel Sheyla Sampaio, exonerada ontem (6) pelo governador Ibaneis Rocha. Diga-se de passagem, por ser um Cargo de Natureza Política (CNP) e indicação do próprio governador, não via nenhuma razão para se submeter à subordinação da Secretaria de Segurança Pública.

Publicidade

A base para sua declaração veio do Artigo 1º da Lei nº 6.450 de 14 de outubro de 1977, que Dispõe sobre a organização básica da Polícia Militar do Distrito Federal (Art. 1º  A Polícia Militar do Distrito Federal, instituição permanente, fundamentada nos princípios da hierarquia e disciplina, essencial à segurança pública do Distrito Federal e ainda força auxiliar e reserva do Exército nos casos de convocação ou mobilização, organizada e mantida pela União nos termos do inciso XIV do art. 21 e dos §§ 5º e 6º do art. 144 da Constituição Federalsubordinada ao Governador do Distrito Federal, destina-se à polícia ostensiva e à preservação da ordem pública no Distrito Federal), grifo nosso.

Em nota, a ex-comandante fundamentou suas declarações por conta da entrevista concedida pelo governador Ibaneis Rocha (MDB) ao DFTV – 2ª Edição na data de ontem (6). Na concepção da ex-comandante, alguns equívocos foram cometidos e inobservados pelo governador.

Iniciou dizendo que a proposta de reestruturação administrativa da corporação, onde permitiria que os batalhões fossem comandados por tenentes-coronéis e liberando um efetivo maior de oficiais superiores para atividade fim (Majores), foi encaminhada à Secretaria de Segurança Pública e até a presente data não houvera nenhuma manifestação do titular da pasta, o delegado da Polícia Federal Anderson Torres.

Mais adiante, a coronel afirma que sua obrigação institucional de defender a corporação estava acima de tudo e assim o fez dentro da hierarquia e disciplina, contumaz no meio militar. O possível estopim da crise, a criação do Hospital da Segurança Pública, poderia até acontecer, desde que antes o Centro Médico que foi construído para atender a saúde da família policial militar respondesse à altura as necessidades de seu público interno e não que fosse ocupado por outros órgãos.

Outro ponto abordado pela ex-comandante diz respeito a forma diferenciada de tratamento entre os órgãos de segurança pública. A recomposição salarial diferenciada aplicada pelo governador não poderia ser aceita. Ao encaminhar o pedido de reajuste de 37% para os policiais civis e não encaminhar junto o reajuste dos militares, o governo foi parcial. Sheyla afirma que uma proposta de reajuste foi apresentada desde os primeiros meses de governo e que até agora não houve nenhum encaminhamento por parte do executivo local ao governo federal.

Nas redes sociais e grupos de policiais militares a repercussão foi positiva com as declarações da ex-comandante. Nunca na história da Polícia Militar no DF assistiu-se um comandante “peitar” um governo em detrimento de apego a seu cargo.

“A considerar as declarações da ex-comandante, ela entra para a história duas vezes: Uma como a primeira mulher a comandar a instituição e a outra por não ceder a pressões políticas que vão de encontro à legislação”, disse um policial nas redes sociais.

“A Coronel Sheyla deixa o comando da PM…mas com postura de uma verdadeira comandante. E é o que esperamos de quem quer que esteja sentado nessa cadeira tão importante no contexto de segurança pública da capital da república”, dizia outro comentário nas redes sociais.

O outro lado

Em entrevista concedida ontem (06/08) ao DFTV – 2ª Edição, o governador Ibaneis Rocha (MDB) disse que a Coronel perdeu o controle da tropa e não conseguiu conter a crise entre coronéis.

Parte dos oficiais não aceita se submeter ao comando do secretário de Segurança, Anderson Torres, e tampouco aprova o projeto, prioridade do governo, de criar o Hospital da Segurança Pública, para atender às três forças de segurança: PM, Corpo de Bombeiros e Polícia Civil. “Nada contra a Rainha da Inglaterra, mas, no meu governo, o secretário de Segurança manda. Não é a Rainha da Inglaterra”, disse Ibaneis. “Quem não aceitar isso está fora”, acrescentou em entrevista ao Correio.

Veja a mensagem da Coronel Sheyla:

Fonte: Blog do Poliglota

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
Artigo anteriorSaúde do DF marca presença na 16ª Conferência Nacional
Próximo artigoReforma da Previdência: Deputados mantêm aposentadoria especial para professores