28.5 C
Brasília
19 abr 2024 14:56


Concursados da Saúde realizam Ato 100% SUS-DF e pedem nomeação

Profissionais da Saúde aprovados em concurso da Secretaria de Estado do Saúde do DF (SES-DF) que aguardam nomeação e estudantes de cursos técnicos e de graduação na área da Saúde devem realizaram na manhã de quinta-feira (2/Jul) o ato público, 100% SUS-DF, em frente ao Palácio do Buriti.

O evento organizado por uma Comissão Mista de Servidores da Saúde, e de acordo com os organizadores, contou com cerca de 500 participantes. Composta de profissionais da Enfermagem e de diversas outras categorias, o evento teve o apoio do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (Sindate-DF) e do Conselho Regional de Enfermagem do DF (Coren-DF).

O Ato foi realizado em repúdio a escolha da Fundação de Direito Público-Privado para modelo de gestão da Saúde do DF e também para pedir ao GDF que nomeie os concursados aprovados que aguardam nomeação.

Os representantes da Comissão Mista foram recebidos pelo chefe de gabinete da Secretaria de Estado de Relações Institucionais (SERIS), Moisés do Espírito Santo Júnior, a assessora especial da Subsecretaria de Relações do Trabalho e do Terceiro Setor, Fátima Guedes. Durante a reunião ficou definido que Júnior tentará reunir o secretário da Fazenda (SEFAZ), Leonardo Maurício Colombini de Lima, e o Secretário de Estado de Saúde (SES-DF), João Batista de Sousa, para reunião que acontecerá na próxima segunda-feira (6/Jul).

Para o vice-presidente do Sindate-DF, Jorge Vianna, explica: “Nós estamos na expectativa de que semana que vem tenhamos boas novas, pois o governador Rollemberg já acenou que deve realizar a contratação de cerca de 1.000 novos servidores para a Saúde. Esperamos que com a reunião, todas as categorias sejam contempladas.”, afirmou.

Com relação a Fundação Pública de Direito Privado, Vianna disparou: “A secretaria de Saúde pode seguir as recomendações do Ministério Público do DF e as determinações do Tribunal de Justiça, acabar com os contratos temporários e reduzir os gastos com horas extras. Certamente isso permitirá ter as unidades de saúde melhores abastecidas com profissionais para atender as demandas da população, sem a necessidade de trazer OSS ou Fundação como modelo de gestão. Estamos cansados dessa história de modelo o que precisamos é de gestão do SUS DF”, afirmou.

LEIA TAMBÉM