24.5 C
Brasília
17 jun 2024 15:08


Criostatos: nova tecnologia deve trazer evolução a cirurgias oncológicas

Secretaria de Saúde investiu R$ 762 mil para equipar seis hospitais com o aparelho

Por Humberto Leite

A Secretaria de Saúde (SES-DF) estreia neste mês a operação de seis criostatos na rede. Os aparelhos devem dar maior precisão às cirurgias oncológicas realizadas no Hospital Materno-Infantil de Brasília (Hmib) e nos hospitais regionais de Sobradinho (HRS)Taguatinga (HRT)Ceilândia (HRC)Gama (HRG) e Asa Norte (Hran). O investimento total é de R$ 762 mil.

O criostato possibilita a obtenção de laudos de biópsia em menos de uma hora, com a análise dos tecidos ainda durante a cirurgia, aprimorando a conduta da equipe médica em tempo real. “Isso nos permite ampliar ou preservar tecidos e, assim, diminuir a chance de doença persistente com consequente recaída”, explica o cirurgião oncológico Amario Barros, servidor da SES-DF.

Em alguns casos, o uso do aparelho irá alterar totalmente os procedimentos. “No tumor de ovário, por exemplo, não é realizado biópsia prévia. No criostato, com a biópsia de congelamento, é possível detectar se o tumor é maligno. Assim, pode ser realizada a operação definitiva no mesmo ato cirúrgico, sem necessidade de reinternação para uma nova, como ocorria antes”, detalha o médico.

O criostato pode resfriar tecidos a 60 graus negativos e permitir laudos de biópsias em menos de uma hora. Foto: Ualisson Noronha/Agência Saúde-DF

O criostato permite um congelamento rápido de amostras de tecido, alcançando temperaturas de até 60 graus negativos, tornando mais ágil a análise. Em procedimentos tradicionais a biópsia é realizada em prazos maiores. Com o laudo rápido, diminuem também as chances de o paciente precisar de outras cirurgias.

“Uma das cirurgias mais comuns com uso do criostato é a de câncer de mama, quando é feita a avaliação do linfonodo. Dependendo do laudo, muda completamente a conduta do tratamento, inclusive da quimioterapia”, exemplifica o médico patologista Emanuel Adelino, lotado no HRT.

Dentro da unidade de Taguatinga já são realizadas 700 análises mensais, em prazos de até 30 dias. Com o criostato, o hospital passará a dedicar um patologista e um técnico para atender rapidamente os pedidos durante as cirurgias. “Na hora em que disponibilizar o tecido, temos que ter um médico e um técnico para atuarem no aparelho”, explica a chefe do Núcleo de Citopatologia e Anatomia do HRT, Michele Bezerra.

Para o manejo do criostato, o setor do HRT passou por adequações, com uma sala dedicada ao aparelho e melhorias na parte elétrica. Também foi construída uma janela interna que leva diretamente ao centro cirúrgico, de forma a agilizar ao máximo o processo de coleta e análise dos tecidos.

LEIA TAMBÉM

PD nas redes

FãsCurtir
SeguidoresSeguir
SeguidoresSeguir
InscritosInscrever