15.5 C
Brasília
20 maio 2024 05:24


Asa Norte recebe Carreta da Hanseníase até sexta-feira (5)

Iniciativa promove diagnóstico rápido e início do tratamento contra a doença

A Carreta da Hanseníase estará na Asa Norte até sexta-feira (5). Quem notar manchas na pele, diminuição da sensibilidade, dormência ou fraqueza nas mãos e nos pés pode fazer o teste rápido para diagnóstico e até iniciar o tratamento. O veículo atenderá no estacionamento da Unidade Básica de Saúde (UBS) 2 da Asa Norte, na Entrequadra 114/115, das 9h às 17h. A iniciativa é uma parceria da Secretaria de Saúde (SES) com o Ministério da Saúde, Hospital Universitário de Brasília (HUB), Fundação Novartis e o Grupo de Apoio a Mulheres Atingidas pela Hanseníase (Gamah).

Um teste rápido pode diagnosticar a doença na fase inicial, facilitando o início do tratamento contra a hanseníase | Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF

O dermatologista Pedro Zancanaro alerta para a importância do diagnóstico precoce, ainda nas fases iniciais da doença. “Venha se tiver alguma mancha nova na pele, principalmente se já teve algum caso de hanseníase na família ou cuidou de alguém com a doença”, previne.

Com quatro salas de atendimento a bordo, o Consultório Itinerante para Prevenção e Enfrentamento da Hanseníase (Cipeh) reúne até dez especialistas da Universidade de Brasília (UnB) e do HUB. São médicos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas e farmacêuticos capacitados para realizar o diagnóstico rápido. Em caso positivo, é possível iniciar o tratamento e ser encaminhado a um centro especializado. Os pacientes desembarcam do veículo com as primeiras medicações.

A transmissão ocorre pelo contato próximo e frequente, pelas vias aéreas (secreções nasais, gotículas da fala, tosse, espirro) de pacientes sem tratamento. Por essa razão, em todo caso diagnosticado, pessoas que residem com o infectado também devem passar por avaliação médica

Em adição, os especialistas também farão treinamento prático de estudantes e de servidores das UBSs, que diariamente realizam acolhimento de pacientes com suspeita da doença. O projeto já passou por Planaltina e irá percorrer outras áreas do Distrito Federal nos próximos dois meses.

O tratamento da hanseníase é realizado de forma gratuita no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), disponível nas UBSs e nos serviços ambulatoriais de referência. Além disso, é realizado por meio de esquemas terapêuticos padrões com a associação de três medicamentos padronizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A duração do tratamento varia de acordo com a forma clínica da doença, podendo ser em seis ou 12 meses.

Hanseníase

A hanseníase é causada pela bactéria Mycobacterium leprae, que ataca, principalmente, a pele e os nervos. A transmissão ocorre pelo contato próximo e frequente, pelas vias aéreas (secreções nasais, gotículas da fala, tosse, espirro) de pacientes sem tratamento. Por essa razão, em todo caso diagnosticado, pessoas que residem com o infectado também devem passar por avaliação médica.

O diagnóstico é realizado por meio de exame que identifica lesões ou áreas de pele com alteração de sensibilidade e/ou comprometimento de nervos periféricos, com alterações sensitivas e/ou motoras e/ou autonômicas.

Os principais sinais e sintomas da hanseníase são: sensação de formigamento, fisgadas ou dormência ao longo dos nervos dos braços e pernas; manchas brancas, avermelhadas ou amarronzadas em qualquer parte do corpo com perda ou alteração de sensibilidade ao calor, frio, dor e tato; áreas da pele com quedas de pelos, especialmente nas sobrancelhas; áreas da pele muito ressecadas e com ausência de suor; nódulos (caroços) no corpo, em alguns casos avermelhados e dolorosos; diminuição da força muscular dos pés e mãos com dificuldade para segurar objetos.

LEIA TAMBÉM

PD nas redes

FãsCurtir
SeguidoresSeguir
SeguidoresSeguir
InscritosInscrever