19.5 C
Brasília
25 fev 2024 08:27


Mais de 2 milhões de pessoas cadastradas na Estratégia Saúde da Família

Número mais que triplicou em cinco anos; acompanhamento permite melhorar orçamento para atender a população

Por Catarina Loiola

O número de pessoas cadastradas na Estratégia Saúde da Família (ESF), da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES), mais do que triplicou nos últimos cinco anos. Em 2018, havia 591.316 cadastros ativos. Em 2022, o dado saltou para 2.060.078. As cidades com maior número de pessoas cadastradas são Ceilândia (337.357), Samambaia (178.289), Planaltina (151.721), Taguatinga (148.304) e Gama (134.929).

O resultado positivo pode ser atribuído à mudança no modelo de Atenção Primária tradicional para o de ESF, o que possibilitou a criação de mais equipes para acompanhamento da população. Segundo a gerente de Qualidade na Atenção Primária da Diretoria de Estratégia Saúde da Família, Lídia Glasielle de Oliveira Silva, o crescimento dos cadastros foi orientado por notas técnicas e monitoramento recorrente dos dados, para avaliação da situação dos moradores e atendimento às demandas existentes.

“Uma vez que o paciente reside naquele território e temos uma ESF para o acompanhamento da família, conseguimos promover o atendimento de uma criança, por exemplo, desde a gestação até a fase adulta”, explica a gerente. “O acompanhamento longínquo das famílias permite o controle de doenças crônicas já estabelecidas, além da prevenção ao aparecimento de outros problemas de saúde”, frisa.

O agente comunitário de saúde de cada UBS parte para as ruas da cidade em busca dos novos moradores. O trabalho rotineiro segue uma programação e inclui também a atualização dos dados daqueles já cadastrados | Fotos: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

O principal responsável pelo acompanhamento dos moradores nas visitas domiciliares é o agente comunitário de saúde (ACS). Cada território tem ao menos um profissional dessa categoria nas equipes de saúde da família, formada também por médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem. Há ainda times com foco na saúde bucal da população e o núcleo de apoio à saúde da família, formado por especialistas, que atuam em conjunto no atendimento à população.

Também há equipes direcionadas às pessoas em situação de rua, que buscam esse público para ofertar o cuidado continuado, e a atenção primária prisional, que auxilia no atendimento aos homens e mulheres com restrição de liberdade. A composição das equipes é estabelecida pelo Ministério da Saúde.

Cadastramento

Diariamente, o ACS de cada unidade básica de saúde parte para as ruas da cidade em busca dos novos moradores. O trabalho rotineiro segue uma programação e inclui também a atualização dos dados daqueles já cadastrados. As perguntas incluem informações sobre condições de moradia e de saúde, além dos dados pessoais e sociodemográficos. As equipes fazem também a entrega de documentos relacionados à marcação e orientações para realização de exame, diretamente na casa dos usuários, para que não esqueçam do compromisso, além de busca ativa para investigação de agravos.

“O nosso objetivo é cadastrar toda a população do Distrito Federal, porque é pré-requisito para o modelo de atenção que acreditamos. Modelo esse que os estudos mostram, que traz resultados positivos para a população e além de desonerar o SUS, com diminuição no número de internações”, afirma a gerente de Qualidade na Atenção Primária. “Precisamos que a população seja receptiva com os agentes, para que consigamos fazer todos os cadastramentos e, a partir deste, planejarmos a oferta de serviços de saúde que a população necessita”, completa.

Cuidado e comprometimento

Enfermeira da equipe da Estratégia Saúde da Família (ESF) há mais de duas décadas, Maria de Fátima Pavezzi afirma que o trabalho exercido pelas equipes é coordenado para resolver, ao máximo, as demandas dos moradores. “Semanalmente, a equipe se reúne para conversar sobre o trabalho, verificar o que precisa ser mudado e discutir dificuldades e acertos, além de debater o caso dos pacientes, pensando em como podemos ajudar mais ainda”, comenta.

Maria de Fátima é lotada na UBS 9 de Samambaia Sul, na Quadra 317, que conta com duas equipes de acompanhamento, cada uma com dois agentes comunitários de saúde. A unidade reúne 1.495 famílias cadastradas. Uma dessas famílias é a da manicure Maria Lúcia Rodrigues, 53 anos, que é acompanhada pela equipe da UBS 9 desde 2010. “Foi a Fátima [Maria de Fátima Pavezzi] que me recomendou fazer um exame para ver se estava com câncer de colo de útero. E eu estava mesmo, mas já estou curada, graças a Deus e à ajuda da UBS”, revela.

A última visita da equipe à casa da manicure serviu para a entrega de um exame preventivo e para o acompanhamento da mãe de Maria Lúcia, Joana Rodrigues. A idosa de 90 anos está acamada devido a uma fratura no fêmur, causada por uma queda da própria altura. “Tanto para a mãe quanto para mim e o meu marido, que também faz tratamento na UBS, sempre foi um ótimo atendimento, sempre fomos bem recebidos”, completa a manicure.

A manicure Maria Lúcia Rodrigues (ao centro) é acompanhada pela equipe da UBS 9 desde 2010, tempo suficiente para a formação de um vínculo afetivo com os agentes de saúde, o que influencia no aceitamento dos serviços multiprofissionais. Também na foto: a agente comunitária Maria Concilene Julião e a enfermeira Maria de Fátima Pavezzi

Quem também faz o atendimento da comunidade cadastrada na UBS 9 é a agente comunitária de saúde Maria Concilene Julião. Ela revela que, em tanto tempo de jornada, consegue descobrir detalhes da saúde dos moradores só ao olhar para o varal ou portão das residências. “Se vamos a uma visita e tem roupa de bebê secando, já sabemos que ali tem uma mulher que ficou gestante. A gente passa a conhecer a comunidade e ela também nos conhece. Isso é muito importante para que o governo saiba onde aplicar os recursos e crie políticas públicas que realmente atendam a população”, afirma Maria Concilene.

Serviço

A rede pública de saúde do Distrito Federal conta com 175 unidades básicas de saúde (UBSs), sendo que 13 funcionam até as 22 h e cerca de 30 delas atendem aos sábados. Os horários de funcionamento e endereço de cada uma podem ser consultados pelo portal Info Saúde.

LEIA TAMBÉM

Brasília
céu limpo
19.5 ° C
19.5 °
18.1 °
88 %
1.5kmh
0 %
dom
26 °
seg
26 °
ter
26 °
qua
27 °
qui
29 °

PD nas redes

FãsCurtir
SeguidoresSeguir
SeguidoresSeguir
InscritosInscrever