Bolsonarista Olavo de Carvalho morre oito dias após ser diagnosticado com Covid

O escritor e influenciador bolsonarista foi diagnosticado com Covid no dia 16 de janeiro e faleceu na segunda-feira (24), aos 74 anos.

5509
Print Friendly, PDF & Email

O escritor e influenciador bolsonarista Olavo de Carvalho morreu aos 74 anos. A informação foi divulgada nas redes sociais do autor.

De acordo com a nota divulgada pela família, o escritor faleceu na noite de 24 de janeiro. A causa da morte não foi divulgada, mas o escritor havia sido diagnosticado com Covid-19 oito dias antes, em 16 de janeiro.

A morte aconteceu em um hospital na região de Richmond, nos Estados Unidos.

Publicidade

Nascido em Campinas, no interior de São Paulo, Olavo Luiz Pimentel de Carvalho se intitulava professor de filosofia e ficou conhecido por vídeos e livros que apoiam o conservadorismo político e que recusam o discurso politicamente correto.

Considerado um guru do bolsonarismo, Olavo de Carvalho foi elogiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nas redes sociais, mas criticado por militares que integram seu governo. O vice-presidente Hamilton Mourão disse, em 2019, que Olavo de Carvalho deveria se limitar à função de “astrólogo”.

O episódio ocorreu após o canal oficial do presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais postar um vídeo, posteriormente apagado, no qual o escritor fazia críticas a militares, a integrantes do governo e a políticos que se aliaram ao presidente.

Carvalho deixa a esposa, Roxane, oito filhos e 18 netos.

Problemas de saúde anteriores
Em 8 de julho de 2021, Olavo deu entrada no Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (InCor), em São Paulo, para fazer exames e uma avaliação cardiológica, segundo nota do hospital. Na época, o escritor já residia na cidade de Petersburg, no estado da Virgínia, nos Estados Unidos.

No período em que ficou internado, Carvalho teve crise de angina e foi submetido a tratamento para compensação cardíaca. Em 13 de julho, passou por uma cirurgia de emergência para revisão da operação da bexiga realizada em maio do mesmo ano nos Estados Unidos. Ele teve alta após dez dias e passou a fazer um acompanhamento em casa.

Em 9 de agosto, porém, voltou a ser hospitalizado no InCor, com quadro de insuficiência cardíaca e renal aguda e infecção sistêmica.

Ele era portador da Doença de Lyme, uma infecção transmitida por carrapato que causa irritações na pele e sintomas semelhantes ao da gripe. Carvalho também era cardiopata.

FONTEG1
Artigo anteriorGDF divulga condutas vedadas aos agentes públicos nas eleições
Próximo artigoUPA de Vicente Pires está pronta para ser entregue à população