Mutirão de reconstrução mamária no HRT destaca dedicação dos profissionais de saúde

Iniciativa já beneficiou 225 mulheres; secretário de Saúde ressaltou dedicação dos servidores e voluntários

140
Print Friendly, PDF & Email

“Não é só a cirurgia. É o caráter humanitário”. É assim que o secretário de Saúde, general Manoel Pafiadache, define o mutirão de reconstrução mamária do Hospital Regional de Taguatinga (HRT). O gestor participou hoje (19) do evento oficial de lançamento da iniciativa que deve beneficiar 49 mulheres até a próxima sexta-feira (22).

Com o slogan Reconstruir é um ato de amor. Não deixe que suas cicatrizes de guerra ofusquem a beleza da sua vitória, o projeto tem como objetivo reconstruir as mamas de mulheres mastectomizadas e, assim, contribuir para o resgate da autoestima e da autoconfiança das pacientes. Desde o primeiro mutirão, em 2016, já passaram pelas cirurgias 225 mulheres. Em 2021, sete mulheres também passarão pela reconstituição visual das aréolas por meio do procedimento de micropigmentação.

Durante a solenidade, o secretário de Saúde também elogiou o trabalho dos servidores e dos 130 voluntários, incluindo 38 cirurgiões, 24 anestesistas, 10 enfermeiros e 30 técnicos de enfermagem, além de profissionais de esterilização e preparo de equipamentos, maquiadores, cabeleireiros, manicures, tatuadores e até da área de decoração. A decoração, especial para o Outubro Rosa, faz parte da estratégia de acolhimento das pacientes. “Esta atitude é o que faz este hospital”, completou.

Publicidade

À frente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, o médico Sílvio Ferreira lembrou o desafio para realizar o mutirão pelo segundo ano seguido em um contexto de pandemia, algo possível graças à dedicação dos envolvidos. “Técnicas complexas de cirurgia podem recuperar a mama, mas nada supera o carinho com os pacientes”, afirmou. Voluntários da entidade também participarão de cirurgias ao longo deste mês no Hospital Regional da Asa Norte (Hran) e no Hospital Regional de Ceilândia (HRC).

A secretária da Mulher do Distrito Federal, Ericka Filipeli, lembrou das políticas públicas para o público feminino. “Quando a gente fala de saúde da mulher, não falamos apenas de uma ação, mas de um direito”, disse.

Somente neste mês, houve a inauguração do mamógrafo do Centro Especializado em Saúde da Mulher (Cesmu), a capacitação de profissionais das unidades básica de saúde e o início da campanha “Dignidade Feminina”, voltada para os cuidados íntimos durante o período menstrual.

Já o deputado Jorge Viana fez elogios aos profissionais das equipes de apoio do HRT e ressaltou o início da construção do Hospital Oncológico Dr. Jofran Frejat, que ficará ao lado do Hospital da Criança. A pedra fundamental do prédio foi lançada em junho pelo governador Ibaneis Rocha. “A gente não pode deixar de valorizar esse grande hospital”, afirmou o deputado. Segundo ele, isso permitirá a realização de mutirões como o realizado pelo HRT ao longo de todo o ano.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer, o câncer de mama é o mais frequente entre mulheres, correspondendo a 43,74% dos novos casos em 2021. Em 2020, foram 66.280 casos de câncer de mama registrados no Brasil, sendo 730 no DF. Também é o mais letal, com 18.068 registros de óbito em 2019.

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
FONTESecretaria de Saúde
Artigo anteriorEstão abertas as inscrições para o processo seletivo de Residência de Saúde
Próximo artigoPlenário aprova programa de proteção às policiais e bombeiras gestantes