Paciente diabética do HRL homenageia enfermeira

Uma faixa de agradecimento pelos serviços prestados foi colocada na unidade

71
Print Friendly, PDF & Email

Uma faixa de agradecimento foi estendida no ambulatório do Hospital da Região Leste (HRL), no Paranoá. A mensagem veio de uma paciente com dedicatória a uma enfermeira que a atendeu no HRL com os dizeres “Agradecimento à enfermeira Veridiana pelo bom atendimento na sala do pé”. Essa foi a maneira que Maria de Lourdes Pereira dos Santos, de 65 anos, moradora do Paranoá, encontrou para homenagear Verydiana Saraiva de Carvalho, 35 anos, que atua no Centro de Atenção ao Diabético e Hipertenso (CADH).

“Eu fiz a homenagem a Veridiana porque eu estava com esse problema da ferida da diabetes muito grande, muito resistente. E ela com muita paciência, atendendo duas vezes por semana, nunca me atendia de cara feia. É uma profissional humanizada. Ela tratava todos lá na sala dela com muito carinho. Eu achei que essa homenagem ainda foi pouco”, frisou Maria de Lourdes.

A enfermeira está na Secretaria de Saúde desde 2012. A profissional acompanha Lourdes há um ano e meio no Ambulatório de Feridas Complexas e Pé diabético. Contudo, ela destaca o trabalho em equipe como diferencial.

Publicidade

“Eu faço parte de uma equipe que consegue me dar um ambiente favorável para que eu tenha condições de oferecer uma melhor assistência de enfermagem. E, eu tenho o privilégio de fazer parte de uma equipe que dentro do SUS é totalmente diferenciada. Fazer parte do CADH, esse nome sempre tem que aparecer. Porque o CADH é esse ambiente que proporciona essa assistência”, conta.

Tratamento

Maria de Lourdes é acompanhada desde o ano passado pela equipe multidisciplinar. Com insuficiência venosa, ela fazia os tratamentos convencionais e precisou de estabilização da parte cardiológica para fazer a terapia compressiva.

Após três meses de terapia, a enfermeira Veridiana explica que a ferida cicatrizou. No entanto, a paciente tinha receio da terapia. “Ela não queria. Ela achava que seria uma coisa ruim. Porque é um enfaixamento muito grande. E ela achava que seria desconfortável”. Em casa e fazendo o tratamento, a paciente é categórica: “e agora estou aqui usando a meia para nunca mais voltar com fé em Deus”, diz.

Equipe Multidisciplinar

O Centro de Atenção ao Diabético e Hipertenso (CADH) conta com uma equipe de atendimento multidisciplinar com endocrinologista, cardiologista, nutricionista, psicólogo, assistente social, oftalmologia, neurologista, enfermeiro e técnico de enfermagem.

O CADH é um serviço ambulatorial que dispõe a Atenção à Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis – Hipertensão Arterial Sistemática (HAS) e Diabetes Melliltus (DM). É um dos centros no DF que atendem ao público adulto e infantil.

FONTESecretaria de Saúde do DF
Artigo anteriorGDF substitui 4 mil refrigeradores e 250 mil lâmpadas de população carente
Próximo artigoCorpo de Bombeiros Militar do DF ganha reforço de 378 servidores