Sejus: parceria viabilizará Sistema Integrado de Informações sobre Violência

95
Print Friendly, PDF & Email

A Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus-DF) está na etapa final de implantação do Sistema Integrado de Informações sobre Violência – SIV, que se encontra em fase de teste, o qual foi integralmente desenvolvido pela Sejus. A ferramenta possibilitará melhor gestão e uniformização do tratamento de dados no âmbito do Programa de Atendimento Multiprofissional às Vítimas de Violência (Pró-Vítima).

Na segunda-feira (13/01), o subsecretário de Apoio a Vítimas de Violência (Subav), Diego Moreno, reuniu-se com o Diretor do Departamento de Inteligência e Gestão da Informação (DGI/Polícia Civil do DF), Saulo Ribeiro Lopes e o assessor Rogério Alves Dantas, para apresentar a ferramenta. Na reunião foi discutido também o Termo de Cooperação mútua entre os dois órgãos, com a finalidade do intercâmbio do banco de dados de informações de registro de situações de violência.

Para o secretário da Sejus, Gustavo Rocha, “a criação do Sistema e a formalização da parceria com a Polícia Civil do DF possibilitará o gerenciamento adequado de dados e informações, bem como a construção de indicadores estatísticos os quais resultarão em maior celeridade nas tratativas das demandas apresentadas ao Pró-Vítima”.

Segundo o subsecretário de Apoio a Vítimas de Violência, Diego Moreno, “tal parceria será extremamente importante, visto que proporcionará a localização de parentes, familiares e amigos de vítimas de crimes violentos de forma mais rápida e sua devida inserção no Pró-Vítima”.

Pró-Vítima

O Pró-Vítima é um programa de atendimento de psicologia e de assistência social voltado a vítimas de violência doméstica, intrafamiliar, psicológica, física, sexual e institucional, e seus familiares. É ofertado pela Sejus, por meio da Subav.

Os serviços oferecidos pelo Pró-Vítima são gratuitos, para todas as pessoas, independentemente de idade, identidade de gênero, condição social e ocorrem em núcleos localizados em Ceilândia, Planaltina, Paranoá, Guará, Taguatinga e na Rodoferroviária.

A vítima de violência pode buscar um dos seis núcleos de atendimento do Pró-Vítima de forma espontânea ou ser encaminhada por instituições e/ou autoridades públicas, assim como por amigos, parentes ou pessoas da comunidade.

Fonte: Ascom SEJUS