Dengue no DF: Informe epidemiológico será divulgado mensalmente

29


Print Friendly, PDF & Email

Medida segue periodicidade do Ministério da Saúde e foi adotada devido à redução de casos

Por Fábio Magalhães

Com a chegada do período de seca no Distrito Federal e a consequente queda no número de casos de dengue, a Secretaria de Saúde alterou, a partir desta segunda-feira (29), a periodicidade de publicação do informe epidemiológico da doença, que até então era semanal. Agora, a divulgação ocorrerá mensalmente.

“Essa decisão foi tomada em razão da redução de casos e, com isso, seguimos a mesma periodicidade adotada, a partir deste momento, pelo Ministério da Saúde, sendo este período considerado como interepidêmico (entre uma epidemia e outra)”, destacou o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero.

Apesar de a divulgação ocorrer em um espaço maior de tempo, técnicos da pasta continuarão vigilantes em relação aos números e demais índices relativos aos mosquito Aedes aegypti, de modo a garantir a saúde da população de todo o Distrito Federal.

Publicidade

Além dos dados, que continuarão a ser compilados rotineiramente, o trabalho de prevenção permanece sendo feito em todas as regiões administrativas, como as visitas domiciliares, atividades educativas, de manejo ambiental, manejo físico (remoção de inservíveis), bem como o acompanhamento de perfil epidemiológico da região.

“Historicamente, no DF, nos meses de junho a agosto, o clima e o ambiente são desfavoráveis à proliferação de vetores (condições ambientais) em nossa região. O ocorrido no primeiro semestre em relação ao processo transmissão da dengue nos remete à necessidade de uma reflexão e preparação para as atividades a serem implementadas neste segundo semestre e no próximo ano”, reforçou Valero.

Apoio a população

O cidadão tem papel fundamental na luta contra o mosquito. Além das ações desenvolvidas pelo poder público, é essencial que cada um faça a sua parte.

“Neste intuito, pedimos à população que colabore inspecionando suas residências e locais de trabalho, uma vez por semana, com o objetivo de identificar ambientes propícios à proliferação ou a criadouros do mosquito.

Dicas

Os locais escolhidos para o armazenamento de água e vasilhas usadas como bebedouros para animais domésticos devem ser limpos com escova e sabão; os recipientes para armazenamento de água deverão ser fechados com as tampas originais ou com uma tela de trama pequena, tecidos de tramas fechadas, de maneira a evitar o acesso do mosquito; as caixas d’água devem passar por limpeza regular e estar bem fechadas.

Fonte: Agência Saúde DF