Cofen articula com ministro da saúde apoio pela sanção do PL 2564

Encaminhado para a presidência da República na última semana, projeto tem prazo de 15 dias úteis para ser sancionado ou vetado

Com a promulgação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 11/22 e o subsequente envio do Projeto de Lei 2564/20 à sanção presidencial, a Enfermagem está cada vez mais próxima de conseguir um desfecho positivo na garantia de seu Piso salarial, uma demanda histórica da categoria. Nesta etapa final de luta por melhores remunerações, a presidente do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), Betânia Santos, o conselheiro federal Daniel Menezes e o chefe de gabinete da autarquia, Magno Guedes, se reuniram com o ministro da saúde, Marcelo Queiroga, para articular apoio pela agilidade na sanção do PL pelo presidente Jair Bolsonaro.

O encontro aconteceu no Ministério da Saúde. Queiroga reafirmou o apoio ao PL 2564 e evidenciou o papel essencial que enfermeiros, técnicos, auxiliares e parteiras exercem na prestação de uma assistência qualificada para a população e para o andamento dos bons serviços no Sistema Único de Saúde.

“Saímos da reunião confiantes, pois o ministro reafirmou seu apoio à categoria. De forma extremamente articulada, a mobilização da Enfermagem tem contribuindo para uma tramitação célere do nosso piso, evidenciando nossa força política. Agora, mais do que nunca, é necessário que nos mantenhamos articulados para que o projeto seja sancionado o quanto antes”, destacou Betânia Santos.

Publicidade
A criação de um piso para a Enfermagem representaria uma proteção para os 2,6 milhões de profissionais da categoria

A criação de um Piso Salarial para a Enfermagem, maior força da saúde brasileira, representaria uma proteção para os 2,6 milhões de profissionais que compõem a categoria, sobretudo os quase dois milhões de técnicos e auxiliares que estão especialmente vulneráveis aos subsalários, como demonstram os dados da Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil (FIOCRUZ, 2015). Quase metade dos profissionais (45%) recebiam salários abaixo de R$ 2 mil. Somente 4 em cada 100 recebiam mais de R$ 5 mil.

“A reunião foi positiva na medida em que o ministro reiterou a importância da Enfermagem para o SUS e defendeu a valorização da categoria não apenas por meio da aprovação do piso. Toda essa articulação colabora para a tão esperada sanção”, afirmou Daniel Menezes, que também integra o Fórum Nacional da Enfermagem.

Entenda a tramitação

Proposto pelo senador Fabiano Contarato (PT-ES), o PL 2564/20 prevê Piso Salarial de R$ 4.750 para enfermeiros; 70% deste total para técnicos de Enfermagem e 50% para auxiliares e parteiras. Os valores serão atualizados anualmente pelo Índice Nacional de Preços aos Consumidor (INPC).

Embora aprovado na Câmara dos Deputados e no Senado com expressivo apoio dos parlamentares, o projeto aguardou a promulgação da PEC 11/22, que inseriu o piso da Enfermagem na Constituição Federal, com o objetivo de garantir a segurança jurídica necessária para que o PL fosse encaminhado à sanção pela presidência da república e evitar processos de judicialização por vícios de iniciativa. A proposta foi promulgada em forma de emenda constitucional durante sessão solene no Congresso Nacional que contou com a presença de Jair Bolsonaro, na última quinta-feira (14/7). Agora, projeto tem prazo de 15 dias úteis para ser sancionado ou vetado.

FONTECofen
Artigo anteriorPaciente em cárcere é transferida para Hospital Federal de Bonsucesso
Próximo artigoTCDF apura possíveis irregularidades relacionadas ao serviço de Reprodução Humana Assistida no HMIB