Vacina BCG com uso racional após orientação do Ministério da Saúde

Devido à dificuldade na aquisição do imunobiológico, estados e DF receberão menos doses pelos próximos meses

Maternidade tem prioridade no abastecimento, segundo a Rede de Frio

A Secretaria de Saúde adequou a distribuição e o consumo médio mensal da vacina BCG nas sete regiões de saúde do DF. O objetivo é otimizar o uso do imunizante até a regularização da distribuição por parte do Ministério da Saúde. Em ofício, a pasta informou sobre a redução no envio em um terço, pelo período de sete meses, devido à dificuldade na aquisição da vacina.

A previsão do Ministério da Saúde de normalização é para outubro. A distribuição continua sendo realizada conforme o consumo médio mensal das regiões, porém, com redução, desde junho, até a normalização dos estoques.

“Nosso estoque, assim como dos demais estados, está reduzido, mas acreditamos que não haverá desabastecimento em nossas unidades. A Rede Central de Frio distribui para as redes de frio das regiões e estas, para as suas salas de vacinas. Maternidade sempre tem prioridade no abastecimento, pois é o local com maior taxa de aplicação da BCG”, explica Karine Castro, gerente substituta da Rede de Frio.

Publicidade

As regiões de saúde foram orientadas a utilizar estratégias visando o uso racional da BCG, tendo em vista que cada frasco possui 20 doses. A Atenção Primária organizou o número de unidades que ofertariam a vacina de acordo com cada região.

A população tem a informação dos locais de aplicação da BCG no site da secretaria. Vale lembrar que o Distrito Federal ainda tem doses do imunizante em estoque e continua recebendo o imunobiológico, mas em menor quantidade.

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorGilney Guerra pretende reforçar luta da Enfermagem e dos profissionais de saúde na Câmara Federal
Próximo artigoMinistro da Saúde nega interferência do filho em liberação de recursos