Sem saber que estava grávida mãe dá a luz na UPA de São Sebastião

Equipe não teve tempo de encaminhar a mãe para outra unidade e realizou todo o atendimento

Print Friendly, PDF & Email

Por Ailane Silva

Às 0h06 de terça-feira (7) o choro da pequena Manuela ecoou nos corredores da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de São Sebastião, onde ela nasceu de forma inesperada. A unidade não é referência em partos, mas sem ter tempo para encaminhar a gestante a uma maternidade hospitalar, a equipe realizou o parto, que ocorreu de forma natural e com sucesso. “Ela nasceu ativa, pegou o peito da mãe em menos de um minuto e não demonstrou nenhum sinal de instabilidade. Em seguida, já entramos em contato com o Samu e ela foi transferida para o Hospital Regional Leste”, lembrou o médico Marcelo Martins Oliveira, que atua há pouco mais de dois anos na UPA

O médico relatou que a mãe Eurizania Pereira da Silva chegou acompanhada do marido e de uma filha, com dor abdominal, e informou que não sabia da gestação mas que a surpresa deixou ela e toda a família muito felizes. “Primeiro ela passou pela classificação de risco, às 23h46. Quando fiz o exame físico, imediatamente foi possível ver que ela estava em trabalho de parto. Assim, já colocamos a paciente em uma maca e a levamos para Sala Vermelha. Poucos minutos depois, o parto ocorreu de forma natural e espontânea junto à equipe médica e de enfermagem”, disse o médico.

Publicidade

Marcelo Martins Oliveira explicou que “a formação do médico, enfermeiro e técnico de enfermagem é generalista, então, independentemente de a UPA ser uma unidade sem subespecialidade, a equipe tem capacidade atender urgências e de fazer o primeiro atendimento para todos os casos. Além disso, no momento de emergências que necessitam de um olhar diferenciado, todos são acionados para identificar se há profissionais que tem experiência naquela área”.

Gastroenterologista e clínico médico, Marcelo disse, ainda, que ter participado do parto também o fez lembrar-se do passado, porque antes de fazer residência em clínica médica, chegou a realizar partos em um hospital público pequeno no Ceará. “Isso foi há 12 anos, quando atuava como médico generalista lá. É claro que a gente deixa esse papel para o obstetra, mas não podemos deixar de entrar em ação quando é necessário”, disse.

Fernanda Faustino, técnica de enfermagem da UPA e que trabalhou no centro obstétrico do Hospital Materno Infantil (HMIB) em outro turno, ajudou na condução do parto com a experiência que possui. “Chegamos lá a paciente estava sentada na maca do consultório gritando de dor, acompanhada do marido e do filho de mais ou menos quatro”, relata.

Embora as UPAs sejam unidades de pronto-atendimento, não são os locais ideais para atendimentos à parturientes, “Um parto em uma UPA é bem atípico, mas sempre estamos preparados. Temos um kit pediátrico com fralda, bandeja para pequenos procedimentos e campo estéreo, que foi usado no parto”, disse a coordenadora de enfermagem da UPA, Amanda Clímaco.

Mariela Souza de Jesus, diretora-presidente do IGESDF comemora o sucesso da ação, “as UPAs não são locais ideias para partos, então que bom que tudo ocorreu da melhor maneira e que bebê e mãe passam bem”, disse. A bebê e a mãe foram transferidas pelo SAMU ao Hospital Regional Leste, onde continuam recebendo assistência.

Artigo anteriorCovid-19: em 24 horas, país teve 17.355 mil novos casos e 92 mortes
Próximo artigoCLDF: Profissionais da saúde terão direito à meia-entrada em eventos