GDF vai aumentar número de hospitais aptos a realizar transplantes

20
O secretário Manoel Pafiadache anunciou o novo edital em reunião com comissão que representa 18 mil pacientes transplantados
Print Friendly, PDF & Email

A Secretaria de Saúde prepara edital de credenciamento para selecionar mais unidades da rede pública aptas a realizar cirurgias de transplantes de órgãos, gerando maior assistência a pacientes. O novo edital também amplia o leque de atendimento aos pacientes transplantados, que precisam de cuidados pós-cirurgia.

O secretário da pasta, general Manoel Pafiadache, recebeu comissão de transplantados, nesta sexta-feira (13), para debater o tema. O grupo representou 18 mil pacientes transplantados de cinco categorias: rins, fígado, coração, medula óssea e córneas.

O presidente da comissão de transplantados, Robério Melo, 57 anos, ressaltou que, como paciente, fica inseguro quanto à continuidade do acompanhamento, pois precisa desse suporte pelo resto da vida. “Entretanto, o secretário Pafiadache nos passou tranquilidade ao informar sobre esse edital”, assegurou. Robério recebeu um novo fígado há cinco anos.

Publicidade

O edital que amplia o atendimento a transplantados está em revisão e será lançado nos próximos dias. Atualmente, eles são atendidos pelo Instituto de Cardiologia e Transplantes do DF (ICTDF)

A paciente Yara Xavier, 75 anos, também transplantou o fígado. Operada há dois anos, ela ressaltou que a imunidade desse paciente é muito baixa, por isso “precisamos saber onde procurar ajuda em um momento de intercorrência”. Reforçou, ainda, que “transplante não é cura, o tratamento é para sempre”.

Yara também enalteceu o contato entre a comissão de transplantados e a Secretaria de Saúde. “Antes não éramos recebidos, tenho muito carinho por essa gestão que nos acolhe”, elogiou.

O edital que amplia o atendimento a transplantados está em revisão e será lançado nos próximos dias. Atualmente, eles são atendidos pelo Instituto de Cardiologia e Transplantes do Distrito Federal (ICTDF).

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorPesquisa da UFMG mostra subnotificação de casos de covid-19 em 2020
Próximo artigoRede pública oferece atendimento especializado para síndrome de Down