Março azul alerta para importância do diagnóstico precoce do câncer colorretal

Conheça os fatores de risco e como buscar atendimento na rede pública de saúde

Print Friendly, PDF & Email

Para alertar a população sobre algumas doenças, o calendário anual está pintado de diversas cores. No mês de março, uma delas é a azul a fim de conscientizar sobre a prevenção do câncer colorretal. O Instituto Nacional de Câncer (INCA) indica que são cerca de 40 mil novos casos da doença por ano, o que torna esse tipo de tumor o terceiro que mais afeta a população. A enfermidade afeta o intestino grosso nos segmentos chamados de cólon e reto, a parte final do intestino.

Os fatores de risco para desenvolvimento dessa doença envolvem obesidade, faixa etária acima dos 50 anos, histórico familiar para esse tipo de tumor maligno e alimentação com muitos alimentos processados. O diagnóstico precoce é o grande aliado no combate à doença, pois geralmente os pacientes apresentam sintomas só nos estágios mais avançados, quando o tumor já evoluiu.

“Quanto antes for detectado, mais fácil o tratamento, maiores as chances de cura e melhor a sobrevida do paciente”, enfatiza a referência técnica distrital (RTD) de Coloproctologia da Assessoria de Política de Prevenção e Controle do Câncer (Asccan) da Secretaria de Saúde, Nadja Nóbrega. Ela destaca que os sintomas de alarme são alterações no hábito intestinal, ou seja, alternar diarreia e constipação associados a dor abdominal e sangramento nas fezes, anemia sem causa aparente, palpação de tumor na barriga, perda de peso inexplicada e presença de fezes finas, ditas em fita”, elenca a médica.

Publicidade

Tratamento

Na rede pública de saúde, a população possui como porta de entrada para a avaliação médica as Unidades Básicas de Saúde (UBSs). “Diante dos sintomas suspeitos para câncer colorretal, serão solicitados exames que confirmem ou excluam o diagnóstico”, explica a médica.

O principal exame é a colonoscopia, que pode detectar as lesões iniciais benignas, chamadas pólipos, e fazer sua retirada antes que evoluam para tumores malignos. Na rede pública, o procedimento é regulado em Panorama 3, ou seja, em lista única, seguindo critérios de prioridade no diagnóstico. “O câncer colorretal é prioridade máxima para a regulação”, informa a especialista Nadja.

Quando é feito o diagnóstico da doença, o paciente é novamente inserido no sistema de regulação, agora para consulta em proctologia ou oncologia. Na atenção secundária, ou atendimento hospitalar, ocorre o tratamento, que geralmente envolve cirurgia acompanhada ou não de radioterapia e ou quimioterapia.


Prevenção

O estilo de vida saudável é fundamental na prevenção dessa e de outras doenças. Por isso, a preferência deve ser por alimentos ricos em fibras, a prática de atividade física regular, evitar hábitos prejudiciais à saúde como o tabagismo e o consumo de bebidas alcoólicas, a diminuição do consumo de carnes vermelhas, embutidos e defumados, além de manter uma rotina de cuidados médicos.

“O rastreamento da doença é feito anualmente com a realização da pesquisa de sangue oculto nas fezes, em pessoas na faixa etária entre 50 e 75 anos, mesmo não apresentando sintomas relacionados ao intestino”, destaca a médica. Pacientes com qualquer sintoma intestinal ou fatores de risco, como histórico familiar de câncer colorretal, devem buscar a UBS mais próxima para avaliação. Na ocasião, é importante relatar os sintomas ou fatores de risco para ser orientado sobre a conduta a ser seguida.

FONTESecretaria de Saúde
Artigo anteriorIdosos acima dos 80 anos receberão 4ª dose da vacina contra covid-19
Próximo artigoProjeto da CLDF propõe reinserção de pais e responsáveis por pessoas com deficiência no mercado de trabalho