Iges-DF fortalece controle interno em cumprimento à recomendação do MPDFT

Recomendação foi encaminhada pela Prosus em dezembro de 2020. Objetivo de implantação de programa de compliance é garantir transparência, além de detectar, corrigir e punir desvios de conduta e atos ilícitos

Print Friendly, PDF & Email

O Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF), em cumprimento a recomendação da Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde (Prosus), passou a adotar internamente práticas de integridade e governança. A Prosus recomendou, em dezembro de 2020, que o Iges implantasse programa de conformidade (Compliance). Conforme o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT), o documento surtiu o efeito esperado, pois o Instituto adotou um programa de conformidade com objetivo de proteger a entidade dos atos lesivos que resultem em prejuízos financeiros causados por irregularidades, desvios de ética e de conduta.

Dentre as medidas recomendadas pelo MP, o Iges criou, ainda em dezembro de 2020, o “Código de Ética e Conduta”, que vem sendo implantado em todas as unidades; o site da entidade passou a publicar, periodicamente, as ações e treinamentos desenvolvidos pela assessoria de compliance, inclusive com o auxílio de órgãos de controle; além de ter criado o canal de denúncia vinculado à ouvidoria do Governo do DF. O Instituto também fortaleceu a assessoria de compliance e governança, responsável por implementar, monitorar e executar o Programa de Integridade da entidade. A unidade de compliance faz parte da estrutura organizacional da controladoria interna, responsável pela melhoria do serviço de governança e fortalecimento do controle interno.

Já os fornecedores de produtos e serviços, de acordo com o que foi estabelecido pelo Ministério Público, são submetidos ao due diligence, com avaliação do histórico antes de estabelecimento de relação contratual e aplicação de medidas disciplinares para os que causarem atos lesivos à entidade, conforme os relatórios de perfil e de conformidade apresentados. Nas contratações mais caras e complexas, o requisito para contratação das empresas que firmem ajustes com o Iges deve ser a exigência de implantação de programa de integridade como forma de evitar os chamados programas “de papel”.

Publicidade

Para os representantes da Prosus, “o cumprimento da recomendação revela o compromisso do Iges em aprimorar os mecanismos de prevenção, detecção e correção, que impeçam a ocorrência de desvios éticos”.

FONTEMPDFT
Artigo anteriorLei garante abono de servidor da saúde do DF para acompanhar familiar doente
Próximo artigoSecretaria de Economia do DF disponibiliza calculadora da 3ª parcela de reajuste de servidores