Servidora da Saúde recebe dose de reforço com imunizante 100% produzido no Brasil

Versão nacional da AstraZeneca contra a covid-19 é produzida pela Fiocruz

Print Friendly, PDF & Email

Juliana Françoise, 42 anos, foi a primeira pessoa no Brasil a receber a versão 100% nacional do imunizante da AstraZeneca, produzido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Servidora da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, ela foi um dos cinco voluntários vacinados pelo Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em cerimônia realizada em Brasília (DF), na tarde desta terça-feira (22).

“É uma enorme satisfação e uma esperança para todos nós”, disse Juliana. A vacina AstraZeneca foi a dose de reforço da servidora, que chegou a contrair a covid-19 no ano passado, mas não apresentou sintomas.

“Daqui a pouco nós teremos a aquisição e a distribuição dessas vacinas que vão nos auxiliar no enfrentamento da pandemia com a cobertura vacinal que tanto desejamos”, afirmou o Secretário de Saúde do DF, general Manoel Pafiadache, que prestigiou o evento. O gestor classificou essa vacina 100% produzida no Brasil como um marco. “Mostra a capacidade científica do País para desenvolver uma vacina tão importante para o momento da pandemia em que estamos vivendo”, explicou.

Publicidade

O Ministério da Saúde informou que investiu R$ 1,9 bilhão para que a FioCruz pudesse produzir todos os componentes da vacina, incluindo o Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA). O contrato de transferência de tecnologia com a farmacêutica britânica AstraZeneca foi assinado em junho de 2021. “A conquista de hoje tem importância fundamental não só para a nossa instituição, mas para todo o País”, ressaltou a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade.

De acordo com o ministro Marcelo Queiroga, a vacina 100% fabricada no Brasil é representa o fortalecimento do complexo industrial da saúde brasileiro. “Representa a nossa liberdade do Brasil em relação à produção de vacina Covid-19 com IFA nacional. É um grande salto para o nosso país”, afirmou.

FONTESecretaria de Saúde
Artigo anteriorFevereiro Roxo chama a atenção para doença autoimune, o lúpus
Próximo artigoCLDF aprova reajuste salarial de conselheiros tutelares