Carnaval: 41 festas programadas estão na mira do GDF

O descumprimento do decreto gera multas a partir de R$ 4 mil e podem chegar ao valor de R$ 20. O estabelecimento pode sofrer uma interdição de até 60 dias

Print Friendly, PDF & Email

Por Ana Paula Oliveira

Esse é o segundo ano sem carnaval e fiscalização do Governo do Distrito Federal (GDF) promete intensificar, ainda mais as ações de combate à aglomerações, que descumpram as restrições sanitárias impostas pela pandemia do coronavírus. Em coletiva de imprensa na tarde desta terça-feira (22/2), no Palácio do Buriti, as orientações foram reforçadas.

Para impedir qualquer tipo de evento carnavalesco, conforme o Decreto  42. 898 de 6 de janeiro de 2022, a Secretaria de Segurança e o DF Legal estão de olho nas programações de festas clandestinas pagas e também sem ingressos.  Segundo o chefe da Casa Civil, Gustavo Rocha, um levantamento feito pelas equipes, há uma lista com 41 festas pagas programadas para o feriado de carnaval.

Publicidade

Rocha foi taxativo ao pedir a participação e a conscientização da população para que os números de casos de Covid-19 não aumentem durante o período. “Não está sendo possível a realização desse tipo de festa. Os órgãos de fiscalização estarão nesses locais e não permitirão que esses eventos se realizem”, disse.

O secretário de Segurança, Júlio Danilo explicou que uma força-tarefa, composta pelos órgãos de segurança pública, irá atuar durante todo o feriado. Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Detran, DF Legal, Ibram, Procon, Vigilância Sanitária, Semob estarão fiscalizando o cumprimento das restrições. Nos estabelecimentos comerciais não pode haver pistas de dança ou aglomerações. Música ao vivo está liberada.

O secretário pede para que as pessoas não comprem ingressos de festas carnavalescas. “Se você adquirir um desses ingressos, possivelmente terá sua intenção frustrada. A gente têm acompanhado esses movimento e a gente vai fazer de tudo para que não se realizem essas festas”, alertou.

Saiba o que será permitido:

Bares com música ao vivo (sem cobrança de ingresso), porém sem espaço para dança;
Shows e festivais sem cobrança de ingresso ou qualquer contribuição do público e sem espaço para dança (neste caso, é necessária a apresentação do comprovante vacinal e uso de máscara de proteção);
Eventos esportivos mediante uso de máscara de proteção;
Circo, cinema e teatro também estão liberados;
Casa e estabelecimento de festas sem cobrança de ingresso;
Festas privadas em condomínios ou residências sem cobrança de ingresso.

Confira as atividades suspensas pelo decreto:

Eventos carnavalescos, pagos ou não, incluindo bailes, shows, blocos e desfiles;
Estabelecimentos comerciais estão proibidos de realizar qualquer tipo de festa de carnaval;
Shows, festivais e afins com cobrança de ingresso ou qualquer tipo de contribuição do público (ainda que revertido em consumo) também estão proibidos;
Bares, restaurantes, casas noturnas ou boates que tenham pista de dança também estão proibidos.

O descumprimento do decreto gera multas a partir de R$ 4 mil e podem chegar ao valor de R$ 20. O estabelecimento pode sofrer uma interdição de até 60 dias.

Atualmente, 22 mil pessoas estão com o vírus ativo e a Taxa de Transmissão (Rt) está em 0,87. Isso significa que 100 pessoas infectadas infectam outras 87.

 

Artigo anteriorBloco da Solidariedade quer aumentar doações de sangue até o carnaval
Próximo artigoVencimento do IPVA foi prorrogado para 3 de março