TJDFT realiza audiência pública para discutir bicicletário na Rodoviária de Brasília

A ideia é promover a ampla participação popular, democratizar as solenidades, dar visibilidade às audiências e aos assuntos tratados na Vara do Meio Ambiente

Print Friendly, PDF & Email

A Vara do Meio Ambiente, Desenvolvimento Urbano e Fundiário do DF realiza, nesta sexta-feira, 18/02, audiência pública de conciliação para discutir a mobilidade urbana da Rodoviária de Brasília. O debate, que começa a partir das 14h15, será transmitido ao vivo pelo Canal Oficial do TJDFT no Youtube.

Durante a audiência, as partes irão discutir, além da necessidade de instalação do bicicletário da rodoviária, a integração das ciclovias, ciclofaixas e das calçadas que servem tanto o terminal rodoviário quanto o metroviário. Autor da ação, o MPDFT argumenta que a instalação do equipamento e da estrutura cicloviária é uma obrigação legal do poder público, prevista em diversas leis e na Constituição Federal.

Além do Ministério Público, participam da audiência representantes do Distrito Federal, da Novacap, do Detran-DF, da Companhia do Metropolitano – Metrô-DF, do IPhan e especialistas no assunto. Os interessados podem acompanhar a audiência pelo Canal Oficial do TJDFT no Youtube. A ideia é promover a ampla participação popular, democratizar as solenidades, dar visibilidade às audiências e aos assuntos tratados na Vara do Meio Ambiente.

Publicidade

Desenvolvimento sustentável

Com as audiências públicas, o TJDFT também avança para ampliar o modelo democrático, com acesso e efetiva participação da sociedade no processo judicial, de acordo com o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 16 da Agenda 2030. O Tribunal segue ainda dando cumprimento ao Plano de Ações para alcance da Meta Nacional 9 de 2021, voltado à implementação de ações de prevenção ou desjudicialização de conflitos.

Quanto à Meta 9, o TJDFT escolheu o tema relacionado à tutela do meio ambiente, ao fortalecimento da cultura de proteção ao patrimônio urbanístico-arquitetônico de Brasília e de conscientização dos impactos ocasionados pelos danos ambientais na mudança climática, uma vez que Brasília é tombada pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade.

 

FONTETJDFT
Artigo anteriorGDF cria grupo de trabalho para suspender despejo de ONG de autistas
Próximo artigoAluno com deficiência impedido de acompanhar aulas virtuais deverá ser indenizado por faculdade