Reforço de profissionais de saúde garante continuidade das ações contra a covid-19 no DF

Além da convocação de 366 novos enfermeiros de carreira, haverá contratação temporária de 362 técnicos de enfermagem e de 100 médicos

Com mais de 30 mil servidores, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal registrou em janeiro 1.556 casos de afastamentos por conta de síndromes respiratórias, covid-19 e outras doenças. Porém, as atividades de vacinação, testagem de covid-19 e atendimento de pacientes foram ampliadas graças à contratação de mais pessoal e expansão de carga horária.

As principais medidas adotadas foram explicadas, na tarde desta quinta-feira (27), durante coletiva de imprensa.

“O governador Ibaneis tem colocado muita mão de obra, muitos recursos humanos à disposição da secretaria”, afirmou o titular da pasta, general Manoel Pafiadache. Além da convocação de 366 novos enfermeiros de carreira, haverá o reforço temporário de 362 técnicos de enfermagem e de 100 médicos. Houve, ainda, a ampliação da carga horária de servidores.

Publicidade

R$ 68 milhões foram empenhados nos últimos cinco meses para a compra de material de proteção, como luvas, máscaras e capotes

“Mesmo estando em um momento difícil, conseguimos fazer mais de 10 mil vacinas por dia”, resumiu o secretário-adjunto de Assistência à Saúde, Fernando Erick Damasceno. Na terceira semana de janeiro, também foram realizados mais de 26 mil testes de covid-19. Já a Atenção Primária à Saúde registra cerca de 40% dos atendimentos relacionados apenas às síndromes gripais.

A subsecretária de Atenção Integral à Saúde, Paula Lawall, informou que R$ 68 milhões foram empenhados nos últimos cinco meses para a compra de material de proteção, como luvas, máscaras e capotes. “A Secretaria de Saúde tem tomado todos os cuidados de atenção a essas pessoas e à prevenção dessa situação de adoecimento”, disse.

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorDireção do Sindate solicitam reabertura do setor de internação pediátrica do HRS
Próximo artigoNo DF, 200 mil moradores ainda não se vacinaram