Unidades da Rede de Atenção Psicossocial adotam novo modelo de gestão

Mudança foca nos resultados com indicadores a serem avaliados

Os 18 Centros de Atenção Psicossocial (Caps), o Centro de Orientação Médico-Psicopedagógica (COMPP) e o Adolescentro são as novas unidades da Secretaria de Saúde com acordos de gestão local. Os documentos foram oficialmente assinados, nesta quarta-feira (15), na sede da pasta. “Isso nada mais é do que a organização da gestão”, afirmou o secretário de Saúde, general Manoel Pafiadache.

Com os acordos de gestão local, as unidades passam a ter indicadores definidos de desempenho, que devem ser avaliados. No caso dos Caps, por exemplo, cada unidade deverá mensurar o número de acolhimentos, ações junto às equipes de Atenção Primária e ações territoriais, dentre outros indicadores.

Ao longo de um ano de vigência dos acordos, os gestores das unidades terão oficinas de planos de ação e os resultados serão monitorados mensalmente. O COMPP e o Adolescentro, focados no atendimento em crianças e adolescentes, respectivamente, também passam a ter indicadores específicos.

Publicidade

“A ideia é que a gente possa tomar decisões com base nos resultados”, resumiu a coordenadora especial de Gestão de Contratos de Serviços de Saúde, Mabelle Varonilia Roque. Ela explicou que a definição dos indicadores ocorreu de maneira conjunta e que o acompanhamento permitirá identificar o que pode ser feito para melhorar os serviços. “O nosso trabalho é sempre para melhorar a assistência ao usuário final”, completou.

O Programa de Gestão Regional da Saúde começou a ser implantado no DF em 2017, com capacitação de gestores e servidores, além de levantamento sociodemográfico de todas as regiões de saúde. Hoje, já têm acordos de gestão: as superintendências regionais de Saúde, as 176 unidades básicas de saúde, as policlínicas e os centros especializados.

FONTESecretaria de Saúde
Artigo anteriorEducação do DF ganha novos 202 professores efetivos
Próximo artigoEspecialização ‘Pós Tec Enfermagem’, anunciado pelo Cofen, deve qualificar gratuitamente cerca de 10 mil profissionais de saúde anualmente