Centro Radiológico de Taguatinga realiza mais de 2 mil exames, após reabertura

Unidade foi interditada em fevereiro e voltou a funcionar em outubro com oferta de serviços ampliada

226
Print Friendly, PDF & Email

O Centro Radiológico de Taguatinga (CRT) retomou as atividades no dia 5 de outubro e, até esta segunda (8), já realizou mais de 2 mil exames de imagem. Desses, 1,89 mil são raio-x, que é feito via demanda espontânea, ou seja, basta o paciente chegar com o pedido médico. Além disso, a unidade fez 60 ecografias transvaginais, exames marcados pelas equipes de saúde da família nas unidades básicas de saúde (UBSs).

O CRT também realiza radiografias panorâmicas de odontologia. Desde a reabertura, foram feitas 62 radiografias panorâmicas e 57 periapicais. A realização dos exames odontológicos é regulada pelo Complexo Regulador.

A diretora de Atenção Secundária da Região de Saúde Sudoeste, Shirlene Almeida, avalia o retorno do CRT positivamente. “Ampliamos a oferta de serviços, o local tem mais acessibilidade para os pacientes e os exames de imagem ficam concentrados no mesmo local. Além disso, não tivemos mais manifestações negativas na ouvidoria”, destaca a gestora.

Publicidade

Ampliação dos serviços

Ainda nesta semana, começa a operar um novo ecógrafo na unidade, com capacidade para realizar 100 exames por semana. Além disso, até o final do mês, o CRT deve receber mais um ecógrafo e um mamógrafo, que pode fazer 50 mamografias por semana.

Também há expectativa de instalação de uma máquina de tomografia na unidade. Com todos os equipamentos instalados, o local chega a realizar até 6 mil exames mensalmente.

Revitalização

O Centro Radiológico de Taguatinga (CRT) foi interditado no dia 17 de fevereiro após recomendação da Defesa Civil. O local sofreu alguns danos estruturais causados pelos fortes temporais que à época atingiram a região. Nos últimos meses, o CRT passou por obras em 70% da estrutura. Em outubro a unidade de saúde retomou as atividades.

O investimento com a revitalização foi de R$ 100 mil, custeado por meio do contrato de manutenção predial vigente. A retomada dos atendimentos ocorreu após avaliação da estrutura feita por técnicos da diretoria de engenharia da Secretaria de Saúde e da Novacap.

FONTESecretaria de Saúde
Artigo anteriorCovid-19: Medição de temperatura corporal deixa de ser obrigatória em comércios, eventos culturais e religiosos no DF
Próximo artigoPedra Fundamental de Brasília será centro de cultura e lazer