IGESDF adere a plano nacional de prevenção à irregularidades

Formulado pelo Tribunal de Contas da União e pela controladoria federal, programa propõe melhoria das ferramentas de gestão

131
Print Friendly, PDF & Email

Com o objetivo de fortalecer a política de transparência e combate à corrupção, o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF) aderiu, na segunda-feira (20), ao Programa Nacional de Prevenção à Corrupção (PNPC).

Iniciativa da Rede de Controle de Gestão Pública regulada pela Controladoria-Geral da União (CGU), em parceria com o Tribunal de Contas da União (TCU), o PNPC tem como objetivo reduzir os níveis de fraude e corrupção no Brasil a patamares similares aos de países desenvolvidos.

Para o controlador interno do Iges-DF, Daniel Alves, a participação do instituto no programa vai ajudar a aferir o nível de maturidade das ações que vêm sendo tomadas “para a melhoria contínua das ferramentas internas e externas no combate à corrupção”. Já o coordenador de Compliance e Governança do instituto, Eduardo Corrêa, ressaltou que “a autoavaliação é importante para identificar se estamos no caminho certo e quais ações precisamos priorizar.”

Publicidade

Para adesão ao PNPC, foi preenchido um formulário disponibilizado na plataforma on-line e-Prevenção. Entre os temas abordados no diagnóstico on-line estavam Prevenção, Detecção, Investigação, Correção, Monitoramento, Transparência e Investigação.

“A participação do instituto no programa vai ajudar a aferir o nível de maturidade das ações que vêm sendo tomadas para a melhoria contínua das ferramentas internas e externas no combate à corrupção”Daniel Alves, controlador-interno do Iges-DF

Após o preenchimento do formulário, o PNPC oferece um plano de ação específico para cada instituição integrada, com sugestões e propostas, oferecendo um diagnóstico sobre os pontos vulneráveis e suscetíveis que podem levar à corrupção. O programa ainda fornece orientações e treinamentos, além de dispor de parcerias com órgãos e entidades públicas e privadas para implantação de mecanismos de controle à corrupção.

O PNPC conta com o apoio da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon), do Conselho Nacional dos Presidentes dos Tribunais de Contas (CNPTC), da Associação Brasileira dos Tribunais de Contas dos Municípios (Abracom), do Conselho Nacional de Controle Interno (Conaci) e da Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorEncontro no DF debate ações para incentivar doação de órgãos
Próximo artigoAgências do trabalhador do DF disponibilizam 630 ofertas de emprego