DF mantém vacinação a adolescentes de 14 a 17 anos

Jovens continuam a ser vacinados com o imunizante da Pfizer, conforme orientação do Ministério da Saúde e da Anvisa

50
Print Friendly, PDF & Email

O Distrito Federal seguirá aplicando doses de vacina contra a covid-19 em adolescentes de 14 a 17 anos, conforme o andamento da campanha até o momento. Seguindo a orientação do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os jovens receberão o imunizante fabricado pela Pfizer BioNtech, que tem certificação mundial e, até o momento, é o único recomendado a este público, bem como às gestantes e puérperas.

Os pontos de vacinação destinados aos adolescentes estão disponíveis no site da Secretaria. A decisão da pasta foi anunciada após o Ministério da Saúde recomendar que estados e municípios suspendam a aplicação de vacinas em adolescentes de 12 a 17 anos, sem comorbidades. Em entrevista coletiva, realizada na tarde desta quinta-feira (16), a secretaria anunciou que manterá a vacinação a esse público com o imunizante da Pfizer, da forma que já vinha ocorrendo. Participaram da coletiva o secretário de Saúde, general Pafiadache, a secretária-adjunta de Assistência, Raquel Bevilaqua, o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero e o diretor de Vigilância Epidemiológica, Fabiano dos Anjos.

“Estamos e continuaremos seguindo as orientações do Ministério da Saúde. A vacina Pfizer é a única que tem registro definitivo e isso é mundial. O DF tomou medidas para evitar qualquer tipo de dificuldade na vacinação e seguirá nesse caminho”General Pafiadache, secretário de Saúde

Na manhã desta quinta-feira (16), o Ministério anunciou o registro de um evento adverso – ocorrido no estado de São Paulo – que vitimou um adolescente de 16 anos após a administração da primeira dose da vacina. O órgão ainda investiga se este óbito tem relação direta com a aplicação ou com outros fatores. Até este momento, o DF já vacinou 88.705 adolescentes, nenhum evento adverso de vacinação foi registrado no público de 14 a 17 anos.

Publicidade

“Estamos e continuaremos seguindo as orientações do Ministério da Saúde. Este dia de hoje teve um ponto fora da curva. A vacina Pfizer é a única que tem registro definitivo e isso é mundial. Nunca houve qualquer manifestação da Anvisa contrária a isso. Depois de ouvir a recomendação do Ministério da Saúde, percebe-se que o que pode ter acontecido é uma antecipação da cobertura vacinal da Pfizer para os adolescentes. O DF tomou medidas para evitar qualquer tipo de dificuldade na vacinação deles e seguirá nesse caminho”, afirma o secretário de Saúde, general Pafiadache.

A vacinação ao público de 17 anos foi aberta em 24 de agosto. Sob recomendação do órgão federal e da Anvisa, o DF destinou apenas doses do imunizante da Pfizer BioNTech a este público. Todos os possíveis casos de aplicação indevida de vacinas já estão em investigação pelos núcleos epidemiológicos regionais, como explica o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero.

“A vacina da Pfizer foi adotada aqui no DF por recomendação do próprio Ministério da Saúde. Nós estendemos que devemos continuar este processo de imunização dos nossos adolescentes, mas vamos também ficar atentos e observando qual será a resolução finalística do ministério”, explica o subsecretário.

As pessoas que já receberam a primeira dose de vacina seguem com a sua segunda dose garantida

Vacinas recebidas

As pessoas que já receberam a primeira dose de vacina seguem com a sua segunda dose garantida. Na manhã desta quinta-feira, o Distrito Federal recebeu 33.930 doses da Pfizer destinadas à aplicação de segunda dose e outras 15 mil doses do imunizante foram recebidas na noite desta quarta-feira.

A pasta ainda aguarda receber outras 12.750 doses da vacina AstraZeneca, também destinadas à aplicação de segunda dose. De acordo com previsão do ministério, as doses desembarcariam na capital na noite desta quinta.

Terceira dose

O órgão federal também publicou a Nota Técnica que trata sobre a administração da terceira dose de vacina contra a covid-19, visando ampliar a eficácia do imunizante contra o novo coronavírus Sars-CoV-2 e suas variantes. De acordo com o ministério, receberão a 3ª dose os idosos acima de 70 anos que já tenham recebido a segunda dose – de qualquer um dos imunizantes – há mais de 6 meses.

Também estão contemplados os pacientes imunossuprimidos considerados graves, que tenham completado 28 dias desde a aplicação da segunda dose. A dose de reforço deve ser administrada com o imunizante da Pfizer-BioNTech.

Apesar das recomendações, o Ministério da Saúde ainda não disponibilizou à SES/DF a programação do envio de novas remessas de vacinas para estes públicos, conforme explica o diretor de Vigilância Epidemiológica, Fabiano dos Anjos. “O Distrito Federal segue aguardando posicionamento do Ministério da Saúde de quando de fato encaminhará estas vacinas. De acordo com o quantitativo de doses será possível fazer o planejamento e o chamamento da população para a dose de reforço”, explica.

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorProjeto de lei na Câmara prevê que sociedades filantrópicas entrem na lista de exceções da nova LGPD
Próximo artigoApuração do TCDF revela suposto prejuízo de R$ 11,2 milhões na compra de testes rápidos para detecção de Covid-19