Após denúncia de Jorge Vianna, Vida UTI Móvel firma TAC com MPT e se compromete a fornecer EPIs adequados para seus empregados

Compromisso prevê que máscaras do tipo N95 devem ser descartadas e substituídas ao final de cada turno

67
Print Friendly, PDF & Email

Por Kleber Karpov

O Sistema de Emergência Móvel de Brasília Ltda. (Vida UTI Móvel), empresa contratada pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (IGES-DF), firmou um Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal (MPT-DF), representado pela procuradora Renata Coelho, em que se compromete a fornecer os Equipamentos de Proteção Individuais (EPIs) adequados para os seus empregados, especialmente em relação às máscaras cirúrgicas, PFF2 ou N95.

O TAC foi firmado após o MPT-DF acolher representação do deputado distrital, Jorge Vianna (Podemos)(Jun/2020), contra a Vida UTI Móvel, responsável por transportar pacientes em ambulâncias para o IGESDF. Ocasião em que Vianna, na condição de presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC), da Câmara Legislativa do DF (CLDF), publicitou denúncias recebidas por parte de trabalhadores.

Publicidade

TAC

No compromisso firmado, a Vida UTI Móvel se comprometeu a descartar máscaras utilizadas pelos empregados para, no máximo, o final do turno diário dos colaboradores. A empresa deve ainda armazenar os EPIs em local de fácil acesso e em quantidade suficiente para o seu adequado fornecimento.

Para Vianna, o MPT reforça a importância da atuação do MPT. “Foram dezenas de denúncias que recebi de trabalhadores, caso que levei enquanto presidente da CESC, ao Ministério Público do Trabalho que agiu e hoje temos uma solução apresentada. A Ação do MPT”, disse.

Para o deputado, a ação do MPT, serve de alerta às empresas burlam os direitos dos trabalhadores. “Essa ação é uma demonstração que a Câmara Legislativa e os órgãos de controle estão atentas a omissão ou descaso de empresas em relação aos direitos dos trabalhadores. Principalmente em situação tão delicada da pandemia do coronavírus, que estamos vivendo há quase dois anos, e que não pode e não será admitido que empresas ignorem riscos que podem ser evitados em relação aos seus colaboradores.”, concluiu Vianna.

Entenda o caso

O Ministério Público no Distrito Federal e Territórios (MPDFT) encaminhou denúncia feita pelo deputado distrital Jorge Vianna, em que o parlamentar narra que os empregados eram “orientados a utilizarem os equipamentos de proteção individual pelo máximo de dias indicado pelo fabricante, independente das condições adversas de uso”.

Segundo a denúncia apresentada, as máscaras do tipo N95 eram trocadas apenas a cada 15 dias.

Instada a se manifestar, a Vida UTI Móvel informou que iria “cessar o reuso por mais de um turno” dos equipamentos e concordou com a assinatura do TAC proposto.

Fiscalização do CEREST

No último dia 21 de dezembro, o Centro de Referência de Saúde do Trabalhador do Distrito Federal (CEREST) realizou Inspeção Sanitária em Saúde do Trabalhador e encontrou outras irregularidades, como: a não utilização de máscaras por parte dos trabalhadores da área administrativa, a utilização de máscara de tecido por parte dos profissionais de saúde e a ausência de marcação do distanciamento social, bem como do termômetro na recepção, para aferição da temperatura de quem chega ao local.

A procuradora Renata Coelho notificou a empresa para que ela se manifeste, em 15 dias, sobre as irregularidades apontadas pela CEREST, bem como sobre nova denúncia que narra a possível ausência de pagamento do 13º salário, férias, além de jornada extraordinária sem horário para refeições.

VIACom informações do MPT
Artigo anteriorIGESDF está proibido de realizar processos seletivos de caráter subjetivo e sem transparência
Próximo artigoCom avanço da variante Delta, governo deve começar a aplicar terceira dose da vacina contra Covid