MPF recomenda que bancários e funcionários dos Correios não sejam incluídos no grupo prioritário de vacinação

Imunização do Ministério da Saúde contra covid-19 deve seguir critério por idade

80

Print Friendly, PDF & Email

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou à Secretaria Extraordinária de Enfrentamento da Covid-19, vinculada ao Ministério da Saúde, não incluir as categorias de bancários e funcionários da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos como grupo prioritário no processo de imunização. Segundo o MPF, a pasta deve assegurar o cumprimento do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, que prevê o seguimento da campanha segundo o critério por idade.

No documento, o MPF orientou ainda à Secretaria a não acrescentar novos grupos sem a manifestação favorável da Câmara Técnica Assessora em Imunização e Doenças Transmissíveis ou outro órgão que o substitua.

O órgão ministerial argumentou ainda que deve haver fundamento em dados que demonstrem a necessidade de inclusão como grupo prioritário, reconhecendo assim o maior risco de contaminação ou mortalidade em relação à população em geral.

Publicidade

“A vacina contra covid-19 é recurso público escasso, cuja destinação deve seguir critérios objetivos, de forma a garantir o amplo acesso da população, bem como o uso racional e técnico desse recurso a fim proteger grupos mais vulneráveis à doença”, enfatizou o MPF.

Por fim, o MPF destacou no texto a garantia do cumprimento dos princípios da universalidade e do acesso igualitário à saúde, com o fim de impedir a criação injustificada de privilégios para determinadas categorias profissionais.

Na recomendação, o MPF deu prazo de dez dias para que a Secretaria Extraordinária preste informações.

Íntegra da recomendação

FONTEMPF
Artigo anteriorJustiça Federal recebe denúncia contra cinco pessoas por corrupção, associação criminosa e falsidade ideológica em esquema investigado pela Operação Arritmia
Próximo artigoÉ falsa a legenda de vídeo da CPI da Pandemia que circula nas redes sociais sobre pedido de saída de Bolsonaro