É falsa a legenda de vídeo da CPI da Pandemia que circula nas redes sociais sobre pedido de saída de Bolsonaro

92

Print Friendly, PDF & Email

É falsa a legenda de rodapé de um vídeo da TV Senado pedindo a saída do Presidente da República. O vídeo foi gravado durante a transmissão da TV Senado no depoimento de Cristiano Alberto Carvalho, representante da empresa Davati Medical Supply, ouvido na última quinta-feira (15) na CPI da Pandemia.  O trecho que está circulando nas mídias sociais, desde a última quinta-feira (15) foi compartilhado, e extraído de retransmissão do sinal da TV Senado feita por canal de terceiros nas redes, como explica esta matéria:

https://www12.senado.leg.br/verifica/materias/2021/07/e-falso-que-legenda-da-transmissao-oficial-da-tv-senado-pediu-a-saida-do-presidente-da-republica

A postagem não tem origem nas imagens geradas pela emissora. De acordo com a direção da TV, o crawl, como é chamada tecnicamente a barra de legendas, não tem a linha de base preta com créditos escritos em azul, como no vídeo que viralizou na internet. O padrão do sistema da TV Senado é cinza claro com texto em preto. A veiculação do conteúdo original da TV Senado no YouTube, na mesma minutagem (a partir de 6h02’) do vídeo que circula na internet, pode ser conferida no link:

Publicidade

https://www.youtube.com/watch?v=JuRmL6q4Dc8

Vale lembrar que o sinal da TV Senado é utilizado por diversas emissoras e portais e por um grande número de perfis pessoais e institucionais pelo país. Assim, não é responsabilidade da TV Senado o controle sobre a inserção de conteúdo externo alheio à transmissão oficial da emissora.

A TV Senado, como emissora pública, tem o compromisso de zelar pela transparência e pelo apartidarismo na divulgação das atividades parlamentares e das ações que interferem na vida da sociedade brasileira.

Veja no Senado Verifica como identificar notícias falsas:
https://www12.senado.leg.br/verifica/apresentacao#identificar

FONTEAgência Senado
Artigo anteriorMPF recomenda que bancários e funcionários dos Correios não sejam incluídos no grupo prioritário de vacinação
Próximo artigoFrança libera entrada de brasileiros vacinados contra a Covid-19