Junho Laranja alerta para a prevenção a queimaduras

Acidentes domésticos cresceram na pandemia e aumento já não é mais comum somente nesta época do ano

29

Print Friendly, PDF & Email

Por Adriana Silva

Falar do mês de junho sem lembrar das tradicionais festas juninas é quase impossível. Quem não gosta de reunir a família e amigos, e comemorar com dança, guloseimas típicas e fogueira? Com a pandemia do novo coronavírus, as festividades não ocorrerão pelo segundo ano consecutivo. Tradicionalmente, nesta época do ano, as ocorrências de queimaduras aumentavam bastante. No entanto, mesmo sem as festas, esses acidentes domésticos se tornaram frequentes durante todo o ano.

Publicidade

De acordo com a Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ), cerca de um milhão de casos de queimaduras são registrados anualmente no Brasil. Desses, 200 mil são atendidos nas emergências e 40 mil demandam hospitalização.

A campanha Junho Laranja é promovida pela Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ). O movimento tem por objetivo conscientizar sobre a necessidade de prevenção para este tipo de acidente. O uso indiscriminado do álcool em gel e álcool líquido de uma forma geral – especialmente no período pandêmico com a flexibilização do uso de álcool mais concentrado para higienização das mãos – contribuiu para mais casos de queimaduras.

Referência

Em caso de acidentes, o pronto-socorro do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) é a referência neste tipo de atendimento na rede pública de saúde. O atendimento é ininterrupto. Na Unidade de Queimados do Hran, percebeu-se uma tendência de aumento do número de atendimentos, especialmente ligados ao uso de álcool.

Em 2020, apenas no pronto-socorro do Hran, foram realizados 2.084 atendimentos de pacientes queimados. Desses atendimentos de urgência, 315 resultaram em internações na Unidade de Queimados, por questões de gravidade ou complexidade. Este ano, até o mês de abril, o número de internações por álcool já chegou a quase 30% do total de internações, valor que corresponde a quase o dobro do que era visto em anos anteriores.

O médico Ricardo de Lauro Machado Homem, atual presidente da Sociedade Brasileira de Queimaduras, no Distrito Federal, explica que a demanda dos atendimentos de queimaduras por álcool acompanha esse aumento. Segundo ele, as ocorrências de queimaduras com álcool em adultos é oito vezes maior que a população infantil.

“Esse aumento do número de queimaduras em adultos, em particular por álcool, se deve ao uso mais ostensivo do álcool, seja na forma em gel, líquida ou mesmo aquela comercializada em postos de combustível, para uso muitas vezes não recomendado, como cozinhar e acender fogueiras”, destaca. O médico chama atenção para a forma com que o líquido inflamável é armazenado em casa.

“O uso descuidado, quando se realiza a higiene das mãos e braços, pode precipitar também acidentes graves, quando a pessoa armazena frascos de álcool perto de chamas ou quando se esquece que fez uso do álcool e resolve fumar ou se aproxima do fogão com chama acesa, por exemplo”, explica.

Unidade de Queimados

A Unidade de Queimados possui uma estrutura voltada para o atendimento desses pacientes, contando com equipe multidisciplinar, equipamentos de anestesia, sala de cirurgia própria, sala de curativos, espaço de fisioterapia, entre outras estruturas assistenciais. Desde o ano passado, a unidade conta, ainda, com uma sala de farmácia clínica, com farmacêuticos dedicados também ao atendimento desses pacientes.

O objetivo do trabalho desses profissionais farmacêuticos é o de estar mais perto da equipe multiprofissional e principalmente dos pacientes internados, para proporcionar excelência do tratamento farmacêutico, adequando toda a terapia medicamentosa a esse tipo especial de paciente e trazendo maior comodidade e segurança.

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorMPT recomenda que GDF retome, imediatamente, vacinação para profissionais da Rede Particular de Educação
Próximo artigoNo fim de semana de aniversário da Lei Seca, 301 motoristas são flagrados alcoolizados no DF