Violência contra a mulher idosa é tema de live na quarta (16)

Organizado em parceria da Secretaria de Justiça com o TJDF, evento vai ao ar pelo YouTube

20

Print Friendly, PDF & Email

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) promoverá, em parceria com a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), uma live com o tema “Violência doméstica e familiar contra a mulher idosa e o trabalho em rede”. A transmissão será na próxima quarta-feira (16), das 9h às 11h, por meio do canal do YouTube do TJDFT.

Em muitos países, 15 de junho é o Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa. A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) e a Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa.

A live faz parte do programa Maria da Penha Vai à Escola e será realizada por meio da Subsecretaria de Apoio a Vítimas de Violência (Subav) da Sejus, o Núcleo Judiciário da Mulher e a Central Judicial do Idoso do TJDFT. Os participantes vão receber certificados emitidos pelo tribunal.

Publicidade

A finalidade da ação é sensibilizar a rede de proteção e atendimento. As mulheres idosas são ainda mais vulneráveis e sofrem tanto pela idade quanto pelas relações intrafamiliares. A ação também apresentará formas de atendimento e acolhimento com foco no que deve mobilizar a atenção dos profissionais dessa área, priorizando evitar a revitimização e manter o respeito à autonomia da pessoa idosa.

Farão parte do corpo de palestrantes a psicóloga Danielle Melo, do programa Pró-Vítima, da Sejus; a juíza do TJDFT Gislaine Carneiro Campos Reis, titular do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Santa Maria e coordenadora do Núcleo Judiciário da Mulher (NJM); a promotora de Justiça do Ministério Público do Distrito Federal e dos Territórios (MPDFT), Maércia Correia de Melo, e a supervisora da Central Judicial do Idoso (CJI/TJDFT), Iara Faria.

Artigo anteriorIbaneis avança com imunização dos rodoviários contra a covid no DF
Próximo artigoFalta de pagamento nos Hospitais geridos pela ASM é motivada por falta de repasse da SES