Hospital de Campanha do Gama ajuda a remobilizar leitos

Unidade hospitalar entrou no quinto dia de funcionamento e atende 53 pacientes com covid-19 em estado grave

52
Print Friendly, PDF & Email

O Hospital de Campanha do Gama entrou no quinto dia de funcionamento nesta terça-feira (11) e já aliviou a sobrecarga na rede pública de saúde. A nova estrutura conta com 100 leitos de Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) com ventilação mecânica, drogas vasoativas e diálise à beira-leito. Isso permite atendimento pleno a pacientes em estado grave. O local foi inaugurado pelo governador Ibaneis Rocha na sexta-feira (7).

“Com a entrega dos leitos do Hospital de Campanha do Gama foi possível um planejamento da remobilização dos leitos da rede. Assim, os serviços assistenciais como cirurgias eletivas, que estavam suspensas, ambulatórios do nível secundário, que estavam reduzidos, gradualmente retornarão à normalidade”, explica a subsecretária de Assistência à Saúde, Raquel Beviláqua.

Nesta terça, o hospital já estava com 53 pacientes direcionados, sendo que 27 estão entubados e outros três aguardavam o direcionamento para a unidade. O transporte desses pacientes é realizado pelas equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu-DF).

Publicidade

Estrutura

O investimento para a construção do Hospital de Campanha do Gama foi de R$ 6,8 milhões. O hospital foi construído pela Paleta Engenharia Construções Ltda. Possui cinco alas que comportam 20 leitos cada.

A unidade hospitalar tem salas de triagem; para procedimentos invasivos; de insumos; de descompressão; de raio-X; e de tomografias. Há, também, área para farmácia e pontos de hemodiálise.

O espaço possui ponto de desembarque de ambulâncias; setor administrativo; sala de TI e de manutenção; espaços de descanso para médicos e enfermeiros; banheiros adaptados para Pessoas com Necessidades Especiais (PNE); copa e necrotério. Todos os ambientes contam com sistema de ar-condicionado e renovação de ar.

Gerenciamento

O gerenciamento técnico e a assistência multiprofissional são feitos pela Mediall Brasil. A empresa oferece manutenção e insumos necessários para o funcionamento dos equipamentos (incluindo computadores e impressoras); e o atendimento dos pacientes (medicamentos, materiais médico-hospitalares, gases medicinais e esterilização de equipamentos e materiais, alimentação, nutrição enteral e parenteral).

O contrato tem duração de 180 dias e caberá à contratada a gestão integrada dos três hospitais de campanha (incluindo o de Ceilândia e o do Autódromo) dos 300 leitos hospitalares com suporte ventilatório pulmonar e terapia renal substitutiva beira-leito. O valor total é de R$ 199.400.400,00 (R$ 199,4 milhões), sendo R$ 66.466.800,00 R$ 66,4 milhões) por hospital. O pagamento será realizado por leito ocupado, com a diária no valor de R$ 3.692,60.

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorCovid-19: estados pedem manutenção de financiamento de leitos de UTI
Próximo artigoVacinação de gestantes e puérperas com comorbidades segue suspensa no DF