Lei Maria da Penha é destaque em live nesta quarta (31)

Debate virtual, que também aborda o programa Mulher Mais Segura, será transmitido ao vivo, pelo perfil da Secretaria de Segurança Pública no Instagram

66
Print Friendly, PDF & Email

“Conhecer os canais de denúncia e acesso aos serviços de proteção e acolhimento às vítimas de violência é fundamental para a população. Desta forma, a chance de agirmos antes da ocorrência de um crime mais grave é muito maior”Júlio Danilo, secretário de Segurança Pública

O balanço das ações voltadas ao Mês da Mulher, por meio do programa Mulher Mais Segura – lançado este mês pela Secretaria de Segurança Pública (SSP) – e o alcance da Lei Maria da Penha serão os temas abordados em uma live com transmissão ao vivo, nesta quarta (31), às 15h30. Haverá transmissão simultânea pelo perfil da secretaria no Instagram. Participam o secretário de Segurança Pública, Júlio Danilo, e a cofundadora do Instituto Maria da Penha (IMP), Conceição de Maria.

“A transmissão de hoje faz parte de uma programação virtual que foi preparada com muito cuidado para resguardar nossos profissionais e convidados diante do agravamento da pandemia”, pontua o secretário. “Conseguimos abordar todas as ações voltadas para o enfrentamento da violência contra a mulher que fazem parte do Mulher Mais Segura, que pautará nossas ações nessa área.”

A participação da representante do IMP é destacada por Danilo: “Contar com a presença da Conceição de Maria em nossa live é bastante simbólico para a Segurança Pública do DF, pois [se trata de] um instituto de representatividade ampla e criado a partir da lei que mudou a forma de proteger as mulheres vítimas de violência no país”.

Publicidade

Todo o material fica salvo no perfil da SSP. Desta forma, é possível fazer o compartilhamento das informações. “Conhecer os canais de denúncia e acesso aos serviços de proteção e acolhimento às vítimas de violência é fundamental para a população”, afirma Júlio Danilo. “Desta forma, a chance de agirmos antes da ocorrência de um crime mais grave é muito maior”.

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorDF ganha novo espaço para acolher mulheres vítimas de violência
Próximo artigoIbaneis planeja construir mais duas novas UPAs no DF