Secretaria de Saúde do DF esclarece que ter de circular que vazou para a imprensa está “em fase de estudo”

Embora passe por análises e aprovação de governador, medidas apontam necessidade de voltar esforços concentrados para combater pandemia, além de preservar pacientes de outras intercorrências médicas para evitar contaminação por covid-19

522
Print Friendly, PDF & Email

Por Kleber Karpov

Nesta terça-feira (23/Mar), a Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF), publicou Nota de Esclarecimento, em relação a Circular n.º 55/2021 – SES/SAA, de 22 de março de 2021, que trata de medidas de mitigação das dificuldades no atendimento a pacientes de Covid-19. Segundo a Pasta, depende de aprovação por parte da SES-DF e validação do governador, Ibaneis Rocha (MDB).

A circular faz abordagem do momento crítico que o DF vive, em relação a lidar com a pandemia do coronavírus e relata reunião do secretario de saúde, Osnei Okumoto, com diversos gestores da SES-DF, com intuito de deliberar sobre medidas a serem tomadas pela secretaria.

Publicidade

Ao todo, 19 foram elencadas durante a reunião, hipoteticamente a serem implementadas a partir desta terça-feira (23/Mar), até o dia 5 da abril. Dentre essas, o Fechamento de todos os ambulatórios da Atenção Secundária, exceto aqueles voltados à Saúde Mental ou situações excepcionais, Remanejamento de especialistas, odontólogos, anestesistas, médicos residentes, para atendimento de pacientes portadores de Covid-19, .

As medidas previam ainda, desbloqueio de todos os leitos de enfermagens; a atualização de leitos UCI e de Enfermaria; instalação de 15 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) tipo 2, que fiquem próximas a hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs); além do estímulo a alta de pacientes para acompanhamento na Atenção Primária a Saúde (APS) e a suspensão de cirurgias eletivas, tanto na SES-DF quanto no IGESDF, ainda que judicializadas, para evitar a contaminação desses pacientes por Covid-19.

Confira a Circular, na íntegra

Em análise

Porém, de acordo com esclarecimento da SES-DF, a circular se trata de “um documento em fase de análise no ambiente técnico da pasta e que ainda está em processo de validação”.

A pasta esclarece ainda que outras áreas técnicas da Secretaria devem ser ouvidas, o que inclui superintendentes das Regiões de Saúde e Unidades de Referência Distrital. Além de ser encaminhada, posteriormente, para validação do GDF.

Confira o esclarecimento na íntegra:

Circular da área técnica de assistência vazou para a imprensa sem ter sido aprovada pela secretaria e sem a validação do GDF 

A Secretaria de Saúde esclarece que a Circular n.º 55/2021 – SES/SAA, de 22 de março de 2021, que trata de medidas para mitigação das dificuldades no atendimento ao paciente portador de Covid-19, é um documento em fase de análise no ambiente técnico da pasta e que ainda está em processo de validação pelo gabinete do secretário Osnei Okumoto.

No processo de validação pelo gabinete, serão ouvidas as demais áreas técnicas da secretaria, inclusive os superintendes das Regiões de Saúde e Unidades de Referência Distrital. Numa etapa posterior, o documento será apresentado ao Governo do Distrito Federal para validação final e divulgação à população, inclusive em entrevista coletiva à imprensa, como tem sido feito quase diariamente.

Casos no DF

Boletim Epidemiológico da SES-DF, de segunda-feira (22/Mar), apontou um total de notificações de 330.756 casos confirmados, com aumento de 1.854 casos novos em relação ao dia anterior. Na mesma data, os dados apontam 59 óbitos, 32 a mais que no dia anterior, com um total de 5.441 óbitos o DF, desde o início da pandemia, em decorrência do coronavírus.

Dados esses que continuam a apontar a elevação da média móvel de mortes, que no domingo (14/Mar), passou de 21,4% para 22,4%, e do crescimento no número de casos de Covid-19 no DF, tal qual acontece em todo o país.

Desabastecimento e angústia

Esse aumento do número de casos, acabam por refletir em cenários de desabastecimento das unidades hospitalares e da sobrecarga dos servidores, esses, cansados da longa batalha de um ano, contra o coronavírus, e mesmo com a vacinação iniciada em janeiro, ainda sem enxergarem ‘uma luz no fim do túnel’. Casos esses relatados e mostrados, por pacientes e profissionais nas diversas unidades de saúde do DF.

Entre a cruz e a espada

No dia 1o de Março, manifestantes ligados ao setor produtivo, realizaram manifestação, com apoio de atores políticos do DF, contra o lowndown. Na ocasião, o deputado distrital, Jorge Vianna (Podemos), reagiu a posições e mobilizações, do setor produtivo, realizadas por pessoas contrárias ao lockdwon no DF. Por meio de um vídeo, após constatar o caos, durante  fiscalização no Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), uma das unidades de saúde, referencia no tratamento de pacientes com covid-19 no DF, o parlamentar apontou a falta de leitos e alertou. “É um jogo de vida ou morte e nesse jogo, a vida tem prioridade”.

Mais recentemente, o presidente da República, Jair Bolsonaro, ajuizou ação junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), para tentar derrubar os decretos de restrição de locomoção de pessoas, em decorrência da pandemia, adotados pelos governadores do Distrito Federal, da Bahia e do Rio Grande do Sul.

Entre lidar com o dilema concreto, da necessidade de trabalhar das pessoas, e sabotagens provenientes do governo federal no que tange a pandemia, no DF, Ibaneis passou a conviver com um cenário ainda mais crítico, a fila de espera para acesso a leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). Na segunda-feira (22/Mar), a capital do país contabilizava mais de 400 pessoas, em estado grave, no aguardo para ser transferida para um leito de UTI.

Nesse cenário, ‘entre a cruz e a espada’, Ibaneis, além de manter o lockdown e intensificar a fiscalização para reduzir aglomerações nas ruas, também atua em algumas frentes, para tentar impedir o avanço da pandemia, além de tentar garantir o acesso ao tratamento, a parcela da população do DF com evolução dos quadros de saúde, decorrentes da contaminação pelo coronavírus.

Dentre essas medidas, estão a ativação de hospitais de três campanha, a ampliação do quadro de servidores, a realização de processo seletivos para aposentados da SES-DF. O governador atua ainda para tentar a aquisição, diretamente pelo GDF, de doses de vacinas contra o coronavírus.

Polêmica

Embora polêmica, e talvez com itens que precisem ser revistos ou até descartados, parte das sugestões apresentadas na Circular, devem ser priorizadas. Sobretudo no que tange aos desbloqueios e regulações de leitos, ampliação de quantidade de UBS. O remanejamento de profissionais médicos, enfermeiros e técnicos, em funções administrativas, que possam atuar na linha de frente, no combate ao coronavírus.

Artigo anteriorGDF prepara convocação de servidores de saúde aposentados para desafogar unidades de Covid
Próximo artigoGDF contrata empresas para montagem dos hospitais de campanha