Crianças recebem prevenção contra infecções respiratórias

Medicamento Palivizumabe está sendo aplicado gratuitamente pelo GDF em meninas e meninos com problemas cardíacos

40
Print Friendly, PDF & Email

Por Marlene Gomes

Emily tem apenas quatro meses e já é uma vencedora. Portadora de síndrome de Down, a menina ficou 11 dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) por causa de uma doença crônica que enfraquece o músculo do coração a ponto de ele perder a capacidade de bombear regularmente o sangue.  “Uma criança cardiopata é mais suscetível a infecções; por isso, eu comemoro a oportunidade de a minha filha ter sido contemplada com esse medicamento”, ressalta a pedagoga Luniere Alves Carvalho de Castro, 37 anos, mãe de Emily.

A menina foi uma das crianças que receberam, nesta terça-feira (23), o Palivizumabe, um imunobiológico que previne as infecções respiratórias agudas no primeiro ano de vida, bem como as complicações, na infância, causadas pelo Vírus Sincicial Respiratório (VSR).

Publicidade

“Essa é uma das ações que estão ajudando a reduzir a mortalidade infantil no Distrito Federal”Miriam Santos, coordenadora das Políticas de Aleitamento Materno do DF

O início da aplicação do remédio no Hospital Regional do Guará (HRGu) faz parte da expansão de unidades autorizadas pela Secretaria de Saúde (SES). A ação começou no ano passado e foi considerada fundamental para melhorar o acesso da comunidade ao serviço. “Essa é uma das ações que estão ajudando a reduzir a mortalidade infantil no Distrito Federal”, atesta a médica Miriam Santos, coordenadora das Políticas de Aleitamento Materno do DF.

O medicamento custa mais de R$ 3,5 mil, mas desde 2013 passou a ser oferecido pela rede pública. Em 2020, foram reorganizados os polos de aplicação para que a população tivesse mais acesso a esse recurso. A medicação passou a ser oferecidas em sete desses pontos (veja quadro).

Acesso

“De 50% a 80% das crianças são acometidas pelo VSR no primeiro ano de vida”Emmanuelle de Sousa Neas Pedroso, pediatra e pneumologista do HRGu

“Essa medicação é oferecida pelo SUS e também está disponível nos serviços privados desde 2018”, informa Miriam Santos. “Com a reorganização dos serviços de saúde no DF, aumentou o acesso da população a esses serviços”. No total, 3.402 crianças receberam o medicamento de 2014 a 2020.  “De 50 a 80% das crianças são acometidas pelo vírus [VSR] no primeiro ano de vida”, relata a pneumologista e pediatra Emmanuelle de Sousa Neas Pedroso, responsável pela autorização e prescrição do medicamento no HRGu.

As crianças que receberam a medicação nessa unidade hospitalar tiveram o agendamento confirmado por telefone ou pelo whatsapp e foram atendidas no horário marcado. “Eu nem conhecia esse remédio, mas me explicaram direitinho para que serve; me senti feliz de ver que minha filha está sendo muito bem-acompanhada”, disse a dona de casa Maria Iris Silva de Oliveira, 48 anos, mãe de Anna Lis, de um ano, que sofre de cardiopatia.

Moradora da Candangolândia, Laryssa Nunes Ferreira, 24 anos,  também comemora a medida. Mãe de Enzo, de 2 anos, e Miguel, de 9 meses – que nasceu com 38 semanas e apresenta cardiopatia – foi a primeira a entrar na sala de aplicação do medicamento. “Vai ajudar muito a prevenir doenças respiratórias no Miguel. No próximo mês, estarei aqui novamente, porque são cinco doses”, enfatizou a dona de casa.

Sazonalidade

O VSR aparece sazonalmente nos estados da região Centro-Oeste. Os meses de março a julho são considerados os de maior circulação do vírus no DF. Nesse período, as crianças de risco estão mais propensas a contrair o vírus por causa da ausência de anticorpos específicos, da baixa imunidade e da existência de diferentes sorotipos.

O encaminhamento de quem precisa receber o medicamento é feito pelo próprio médico da criança. É ele que faz o preenchimento dos formulários dentro dos critérios, e as famílias procuram os locais de aplicação.

“As crianças que necessitam de autorização, como os cardiopatas e pneumopatas, precisam ir ao  HCB [Hospital da Criança de Brasília] com os documentos para solicitar o serviço”, orienta Miriam Santos.

Locais de aplicação/endereços

  • Hospital da Criança de Brasília José de Alencar: Área Especial (AENW) 03, Lote A, Setor de Habitações Coletivas (SHCN), Noroeste.
  • Hospital Regional do Guará: QI O6, Lote C s/nº, Área Especial, Guará.
  • Hospital Regional de Ceilândia: QNM 27, Área Especial, Ambulatório II, Sala 15, Ceilândia.
  • Hospital Regional do Gama: Área Especial nº1, Setor Central, Gama.
  • Hospital Regional de Taguatinga: Setor C Norte, Área Especial 24, Taguatinga.
  • Hospital Regional de Planaltina: WL 4, Área Especial, Setor Hospitalar de Planaltina.
  • Hospital do Paranoá: Área Especial, Quadra 2, Conjunto K, Lote 1, Paranoá

 

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorAtenção: Telecovid só funciona até esta sexta-feira (26)
Próximo artigoDF e Goiás atuam juntos no combate ao coronavírus