IGESDF investe R$ 7 mi na melhoria e ampliação dos serviços

Recursos foram aplicados durante dois anos em reforma de prédios e aquisição de equipamentos para as unidades de saúde

54
Print Friendly, PDF & Email

O Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF) investiu nos últimos dois anos mais de R$ 7 milhões na modernização da estrutura física e em equipamentos para as oito unidades que administra desde 2019. Com os investimentos, o instituto ampliou e melhorou a qualidade do atendimento à população do Distrito Federal, segundo o diretor de Administração e Logística, Marcelo Oliveira Barbosa, presidente interino na instituição.

As benfeitorias incluem compra de equipamentos médicos e de mobiliários, modernização de sistemas, aquisição de aparelhos de informática e inauguração de espaços de treinamento e de atendimento no Hospital de Base (HB), no Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) e nas unidades de pronto atendimento (UPAs) de Ceilândia, do Núcleo Bandeirante, do Recanto das Emas, de Samambaia, de São Sebastião e de Sobradinho.

Para Barbosa, nesses dois anos de fundação, a serem comemorados nesta sexta-feira (19), “o Iges vem cumprindo a missão de dar mais celeridade às demandas das unidades, como aquisições ou reposições de equipamentos e insumos”.

Realizações em 2019

Além dos aperfeiçoamentos e novos equipamentos, para melhorar e ampliar o atendimento o instituto contratou ao longo de 2019 mais de 3 mil profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e de outras categorias. Os profissionais foram distribuídos nas oito unidades que compõem a rede da instituição.

Para oferecer mais conforto aos profissionais em seus horários de descanso, o instituto equipou com 600 beliches as salas de repouso das UPAs e dos Hospitais de Base e de Santa Maria. Os beliches têm a armação de chapa de aço, material bastante resistente, com alta durabilidade e não corrosivo.

A informatização das unidades não foi esquecida. Apenas no Hospital de Base foram instalados 416 computadores, todos com programas atualizados. Com a informatização, tarefas como cadastro e acompanhamento do estado dos pacientes passaram a ser executadas com maior rapidez e eficácia.

As oito unidades administradas pelo Iges também receberam 300 novas cadeiras de banho para atender pacientes com mobilidade reduzida, que precisam desse suporte para usar o chuveiro. O instituto adquiriu ainda 53 cadeiras de rodas para locomover pacientes dentro das UPAs e dos Hospitais de Base e de Santa Maria. Para o HB, foram adquiridas 968 cadeiras novas, que atendem tanto os profissionais de saúde quanto os enfermos.

O instituto criou forças-tarefas para recuperar e fazer serviços de manutenção das seis UPAs. Os estoques dessas unidades também foram reabastecidos com medicamentos e insumos, que são fornecidos gratuitamente aos pacientes.

O instituto reativou espaços que estavam ociosos. Foi o caso do sétimo andar do Hospital de Base, inoperante desde novembro de 2018. O andar foi totalmente reformado e ganhou equipamentos novos. Hoje, ali funciona o setor de Urologia do hospital.

Realizações em 2020

O trabalho não parou apesar da pandemia. No Hospital de Base, uma das principais realizações em 2020 foi a reativação de dois pontos de hemodiálises no pronto-socorro, que estavam sem funcionar havia 60 anos, quase a mesma idade do HB. Esses pontos agora são usados para complementar os serviços da unidade de nefrologia.

Outra ação de destaque: no terceiro andar do Hospital de Base foi instalada uma sala de gasometria na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com dois gasômetros (aparelhos usados na avaliação de gases distribuídos no sangue do paciente). Os equipamentos são importantes para atender pacientes com síndromes respiratórias.

O base também recebeu 64 macas, instaladas em consultórios médicos, e mais 51 poltronas acolchoadas para acompanhantes de enfermarias. Foram adquiridas 840 escadas de dois degraus — que facilitam o acesso dos pacientes aos leitos —, além de 33 carrinhos de emergência, para o transporte de medicamentos e de equipamentos usados em ocorrências de paradas cardiorrespiratórias.

Já o HRSM recebeu um negatoscópio mamográfico, aparelho usado para leitura de exames de imagem, como raios-X e tomografias. Nas áreas de cardiologia e odontologia, foram adquiridos seis marca-passos cardíacos e 15 canetas odontológicas de alta rotação, em julho e setembro, respectivamente.

Alguns equipamentos foram produzidos pelos próprios colaboradores. Em Santa Maria, por exemplo, a equipe de terapia ocupacional contribuiu para a fabricação de 115 aparelhos terapêuticos, usados para auxiliar no tratamento de internados na UTI e no pronto-socorro para Covid-19 montado na unidade. Os aparelhos foram fabricados em maio de 2019, durante oficina no ambulatório de saúde funcional.

Todas as oito unidades do Iges também receberam extintores de última geração de combate a incêndio. No total, foram instalados 301. Os profissionais participam, periodicamente, de cursos de prevenção de incêndio, onde aprendem a manusear adequadamente os extintores.

Em 2020, o instituto ampliou os investimentos em tecnologia para dar maior eficiência aos serviços informatizados. Um dos avanços foi a criação do Espaço de Ensino Digital, implantado em 2020 nos dois hospitais e nas UPAs de Ceilândia, Samambaia e Sobradinho.

No mesmo ano, 2 mil novos computadores, com configurações avançadas, foram instalados nas unidades. Esses equipamentos são usados para análise de exames de imagens, monitoramento de pacientes e processamento de dados, entre outras atividades.

Nas UPAs, outro importante serviço foi implementado: a telemedicina. As unidades receberam 240 equipamentos, entre computadores e notebooks, para atenção médica virtual dos pacientes

Nas UPAs, outro importante serviço foi implementado: a telemedicina. As unidades receberam 240 equipamentos, entre computadores e notebooks, para atenção médica virtual dos pacientes. “Isso foi de extrema importância para as UPAs”, avalia Nadja Regina Vieira Cavalcante Carvalho, superintendente da Unidade de Atenção Pré-Hospitalar. “Primeiro, porque os pareceres podem ser feitos na própria UPA. Também porque os profissionais têm acesso ao prontuário dos pacientes e podem discutir uma melhor opção para cada um deles. ”

As seis UPAs receberam ainda 78 poltronas acolchoadas para as salas de medicação. Nas salas amarelas das UPAs de Ceilândia e de Sobradinho, usadas para observação dos pacientes, foram instaladas 20 mesas de refeição (10 em cada).

História do Iges-DF

O Iges-DF é um modelo de gestão da saúde pública criado com a ampliação do projeto inicial adotado no Instituto Hospital de Base (IHBDF), implementado pela Lei nº 5.899, de 3 de julho de 2017. Diante dos resultados positivos, o governador Ibaneis Rocha enviou à Câmara Legislativa o Projeto de Lei nº 1/2019, votado e aprovado em 24 de janeiro de 2019.

Em 19 de fevereiro daquele ano, foi publicado o Decreto nº 39.674, que regulamentou a lei. O projeto aprovado incorporou ao novo modelo os Hospitais de Base e de Santa Maria, além de seis UPAs. Assim, o antigo Instituto Hospital de Base passou a se chamar Instituto de Gestão Estratégica do Distrito Federal (Iges-DF).

Todas as unidades administradas pelo Iges-DF continuam 100% públicas e fazem parte da rede da Secretaria de Saúde do DF.