IGESDF chega à marca dos 11 milhões de procedimentos

Hospitais de Base e de Santa Maria realizaram 7,7 milhões de ações, e as UPAs responderam por 3,4 milhões de serviços

46
Print Friendly, PDF & Email

A importância do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF) para a rede pública está traduzida nos números dos serviços realizados em apenas dois anos de criação pelos dois hospitais e pelas seis unidades de pronto atendimento (UPAs) administradas pela instituição.

Juntas, as oito unidades do Iges-DF realizaram 11,2 milhões de procedimentos médico-hospitalares nos últimos dois anos, conforme dados do DataSUS, o departamento de informática do Sistema Único de Saúde, do Ministério da Saúde.

Em 2019 e 2020, o Hospital de Base (HB) e o Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) realizaram 7,7 milhões de serviços, entre consultas, exames, atendimentos de urgência e cirurgias. Foram 4 milhões de procedimentos em 2019, número que caiu para 3,7 milhões em 2020, ano em que começou a pandemia do coronavírus.

O Hospital de Base fez a maioria dos procedimentos no período. Foram 5,2 milhões de ações médico-hospitalares, enquanto Santa Maria respondeu por 2,5 milhões de procedimentos entre 2019 e 2020.

A maior produtividade desses hospitais foi na área de alta e média complexidade, com 4,1 milhões de ações no período. Desse total, o HB respondeu por 2,8 milhões, e o Santa Maria por 1,3 milhão procedimentos.

“Continuamos mantendo o atendimento em todas as áreas mesmo sobre a pressão da pandemia do coronavírus, que exigiu concentrarmos nossas ações nos pacientes vítimas da covid-19”, explica Marcelo Oliveira Barbosa, diretor de Administração e Logística e presidente interino do Iges-DF.

A produtividade das UPAs

As seis unidades de pronto atendimento (UPAs) que o Iges-DF administra desde 2019 também apresentaram alta produtividade de serviços nesses dois últimos anos. As unidades de Ceilândia, do Núcleo Bandeirante, do Recanto das Emas, de Samambaia, de São Sebastião e de Sobradinho realizaram 3,4 milhões de procedimentos, incluindo classificação de risco, atendimento médico, atendimento médico com observação até 24 horas e exames.

A UPA que respondeu pelo maior número de ações foi Samambaia: mais de 1 milhão de procedimentos. Ceilândia realizou 503,6 mil ações, enquanto São Sebastião prestou 476 mil serviços. Já Sobradinho realizou 468 mil e Recanto das Emas, 367,7 mil procedimentos.