Servidores da UBS 1 de Águas Claras abrem consultório na Unidade de Acolhimento para Adultos e Famílias do Areal

Em todo o ano de 2020, foram realizadas 500 testagens para detecção de ISTs e 200 consultas médicas

Print Friendly, PDF & Email

Pensando na melhoria da assistência à saúde à população em situação de vulnerabilidade ou em situação de rua, os servidores da Unidade Básica de Saúde 1 de Águas Claras decidiram montar um consultório dentro da Unidade de Acolhimento para Adultos e Famílias (UNAF) Areal. Em parceria com a direção da unidade, foi reservada uma sala para realização dos atendimentos, que ocorrem nas terças e quintas pela manhã.

A ideia surgiu do enfermeiro Edmon Martins e do médico da família Diogo Batista. Eles perceberam a necessidade de criar esse consultório dentro da UNAF porque os acolhidos no local dificilmente iam se consultar na UBS 1 de Águas Claras, referência de atendimento da região. Muitas vezes, se queixavam da distância de quatro quilômetros para irem a pé.

“É uma parceria que está dando muito certo, pois essa é uma população muito excluída perante a sociedade. Além disso, são pessoas vulneráveis a certas doenças, como infecções sexualmente transmissíveis, tuberculose hanseníase, além dos vícios com álcool e drogas”, explica o enfermeiro.

Publicidade

Os atendimentos na UNAF completaram um ano neste mês de janeiro. Ao longo de 2020 foram realizados 500 testes rápidos, sendo eles para a detecção de HIV, sífilis e hepatites virais B e C. Além de 200 consultas e cinco ações de assistência como, aplicação de flúor, palestras sobre o novo coronavírus, dengue e H1N1. Também foi realizado o rastreamento de tuberculose e hanseníase.

“Nossos atendimentos contribuem muito. Através dos atendimentos identificamos muitos moradores do abrigo com hipertensão e diabetes que não eram tratados. Com isso, receitamos medicamentos e agora eles estão fazendo o uso. Nosso objetivo é dar mais assistência a esse público vulnerável”, informa Edmon.

Todos as pessoas que entram na unidade de acolhimento passam pela consulta com o enfermeiro, que ocorre todas as terças e, dependendo do caso, são encaminhados para consulta com o médico da família, que atende nas quintas, pela manhã. Em casos mais graves ou de urgência, a direção da UNAF escreve uma carta relatando o problema de saúde e leva o paciente até a Clínica da Família do Areal.

Nos casos em que os pacientes são identificados com tuberculose, eles ficam na UNAF três meses a mais fazendo o tratamento médico.

A gerente da UNAF Areal, Márcia Vasconcelos, informa que o atendimento médico dentro da unidade é de extrema importância, pois “trabalhamos com públicos de idosos, portadores de deficiência física e famílias. Sem a saúde na unidade seria impossível dar qualidade de vida para nosso público”.

Segundo ela, o consultório facilita muito para os abrigados, porque muitas vezes eles não têm condições de ir até uma unidade básica de saúde, pagar condução, etc.

FONTESecretaria de Saúde do DF
Artigo anteriorRede social só pode ser responsabilizada por danos de conteúdo de terceiros se descumprir ordem judicial
Próximo artigoComissão de Heteroidentificação criada pela Secretaria de Saúde e Sejus se torna modelo