Secretaria de Saúde quer escolta policial para a chegada das vacinas ao DF

Pedido foi feito pelo secretário Osnei Okumoto ao secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, como forma de evitar assaltos ou furtos

236
Print Friendly, PDF & Email

Caio Barbieri

O secretário de Saúde do DF, Osnei Okumoto (foto em destaque), solicitou apoio às forças de segurança locais na escolta das vacinas contra a Covid-19 que devem chegar ao Distrito Federal ainda no primeiro semestre deste ano. O Metrópoles teve acesso ao pedido.

No documento endereçado ao secretário de Segurança Pública (SSP), Anderson Torres, o responsável pela campanha de imunização relatou preocupação com os produtos por considerar “se tratar de uma vacina que tem gerado uma grande expectativa em toda a sociedade pela sua disponibilidade e aplicação, o que cria uma tensão maior quanto a sua posse e armazenamento”.

Publicidade

Okumoto disse ainda que o Núcleo de Rede de Frio, responsável pelo recebimento, armazenamento e posterior redistribuição dos imunizantes, “conta apenas com um vigilante patrimonial desarmado por turno, que faz a segurança de todo o prédio e dos bens que nele se encontram e que por vezes em nossos estoques chega a ter R$ 10 milhões em imunobiológicos e insumos para a vacinação, sem considerar a vacina contra o Covid-19”.

Veja trechos do documento:

Roubos e furtos

Além disso, reforçou o secretário de Saúde, atrás do prédio existe um local ermo, com pouca movimentação de pessoas, e a única barreira entre a área externa e a interna é uma cerca baixa que, atualmente, está com alguns buracos na tela. Por isso, reivindica o apoio da SSP-DF, e, por consequência, o da Polícia Militar do DF, “no que se refere a prestar apoio durante o período de distribuição das supracitadas vacinas”.

“Isto posto, e buscando evitar uma possível situação mais grave que possa vir a ocorrer por meio de um assalto, ou talvez de algum usuário mais exaltado que venha até a Rede de Frio Central exigir a vacina como já aconteceu antes, é que vimos por meio deste solicitar que medidas de reforço na segurança deste NRF e inclusive deste Parque de Apoio sejam tomadas afim de resguardar a vida dos servidores que aqui desempenham suas atividades e a preservação das vacinas contra a Covid-19 pelo período em que as mesmas estiverem em estoque. Solicitamos ainda que o uso de forças de Segurança Pública também ocorra nos dias de recebimento e distribuição das vacinas contra a Covid-19”, justificou Okumoto.

No texto, o secretário de Saúde reforça não haver um calendário aprovado oficialmente para o início da campanha distrital de vacinação e ressalta que a definição depende do posicionamento do Ministério da Saúde (MS).

Segurança

Em dezembro do ano passado, o Metrópoles revelou a preocupação do Governo do Distrito Federal (GDF) com o armazenamento das vacinas contra a Covid-19 na capital do país. No época, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal emitiu um alerta sobre a falta de estrutura para armazenar os produtos, no caso da autorização para imunizar a população brasiliense. Além de problemas com a refrigeração, a pasta já havia sinalizado preocupação com a segurança do local de estocagem dos imunizantes.

Documento então obtido pela coluna Janela Indiscreta alertava que a pasta necessitaria de um espaço com vigilância constante, uma vez que, de acordo com o cronograma estabelecido, a fórmula será destinada, prioritariamente, aos idosos, servidores da linha de frente e a pessoas do grupo de risco. O restante da população deverá aguardar a liberação para grupos distintos.

Segundo o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero Martins, antecipa no texto, a precaução foi necessária visto que há a previsão de que cheguem pelo menos 3 milhões de doses do produto a ser autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“As novas vacinas destinadas à imunização contra a Covid-19, bem de grande expectativa da população, serão objeto de cobiça e demandarão a estruturação de áreas seguras para evitar eventuais riscos de furtos e outros desvios”, escreveu ao secretário de Saúde, Osnei Okumoto, na oportunidade.

O que diz a Saúde?

Procurada pelo Metrópoles, a Secretaria de Saúde explicou que “trabalha com todos os cenários possíveis. Por isso, está prevista no Plano Estratégico e Operacional, a emissão de ofício à PMDF, pedindo a mobilização da força policial para a garantia da segurança de trabalhadores e usuários, bem como a estrita observância do público-alvo idealizado pelo MS. Essa possibilidade já é aventada na Portaria 33 de 18/11/1992”.

Ainda conforme a nota encaminhada à coluna Janela Indiscreta, “as medidas serão tomadas gradativamente, de acordo com as etapas descritas no referido Plano”.

FONTEMetrópoles
Artigo anteriorPCDF prende em Goiânia golpista que se passava pelo governador Ibaneis
Próximo artigoProtocolos são monitorados nos restaurantes comunitários